Retalho

Minipreço apoia moradores de Lisboa na luta contra a subida das rendas

Minipreço apoia moradores de Lisboa na luta contra a subida das rendas

A celebrar 40 anos de presença no mercado português, o Minipreço juntou-se à Associação do Património e População de Alfama (APPA) para lançar um projeto de solidariedade que tem como missão ajudar os moradores dos bairros típicos de Lisboa a lutar contra a subida das rendas na cidade. O objetivo é usar estendais como espaços de comunicação e doar as receitas aos residentes.

Em comunicado, a insígnia explica que a campanha arranca esta quinta-feira (19 de setembro) com uma comunicação ao leite nos estendais dos moradores de Alfama em lençóis, fronhas, t-shirts, entre outras peças têxteis, com todas as receitas a serem convertidas em vales de compra Minipreço para os moradores aderentes.

Para Ricardo Torres Assunção, Diretor de Publicidade e Comunicação da DIA Portugal, “os alojamentos locais e os arrendamentos a curto prazo estão a colocar pressão na cidade de Lisboa. Nos últimos três anos, registou-se um aumento de 400% no número de alojamentos locais e só no bairro de Alfama já existem mais de 1700 (Fonte: AirDNA), fazendo as rendas dispararem entre 30% a 40%, sendo em média 90% do salário médio de um português. Para colmatar esta problemática, o Minipreço enquanto insígnia líder no formato de proximidade, criou um inovador meio, de grande formato, que usa os estendais, símbolo típico dos bairros lisboetas, para comunicar. Assim, ajudamos os moradores de Alfama a aumentarem a sua disponibilidade financeira com vales de compras nas nossas lojas”.

Já a direção da APPA explica que “Alfama é um bairro de forte personalidade e com características populares acentuadas. Este forte perfil decorre também das dificuldades que muitas das suas gentes têm de ultrapassar no dia-a-dia. A ação promovida pelo Minipreço pode contribuir para atenuar um pouco alguns problemas que as pessoas de Alfama enfrentam diariamente e que foram agravados com os recentes fenómenos da gentrificação e ‘turistificação’, que afetaram brutalmente o bairro e os seus tradicionais moradores. A APPA associou-se ao Minipreço nesta ação, por considerar que é urgente dar exemplos de uma maior solidariedade para com aqueles que mais precisam, em Alfama, mantendo o alerta quanto à situação que se vive, e que é necessário alterar com intervenções consequentes de órgãos, instituições e pessoas. À causa da defesa do património e da população de Alfama, o Minipreço é bem-vindo com este seu contributo”.