Retalho

Grupo DIA prepara reestruturação

Grupo DIA prepara reestruturação

Depois da entrada de um novo Conselheiro Delegado em agosto deste ano e de três dias a cair na bolsa, com perdas de quase 600 milhões de euros, o Grupo DIA avançou com a suspensão do seu CFO, Amando Sánchez Falcón, e com um plano de reestruturação.

De acordo com a notícia avançada pelo El Economista, o grupo espanhol estima uma quebra de 40% no EBITDA ajustado para este ano, para entre 350 a 400 milhões de euros. A publicação avança também que para além de Amando Sánchez Falcón, suspenso devido a “possíveis discrepâncias quer em questões económicas como contratuais”, estão a ser feitas mais mudanças na gestão da companhia que detém o Minipreço.

Sabe-se já que Ana María Llopis deixará o cargo de Presidente, que deverá desempenhar até ao final deste ano, e que estão ser criadas novas direções, com Faustino Domínguez de la Torre a assumir a Direção Executiva do DIA Espanha.

O Grupo DIA está também a preparar um plano de reestruturação, que deverá implicar o encerramento de lojas, venda de ativos e redução do número de colaboradores, sabendo-se já, de acordo com o El Economista, que um dos primeiros ativos a ser alienado será o Max Descuento, que conta com 35 lojas e 250 funcionários.

Há cerca de dois meses, o Grupo DIA anunciou a entrada na central de compras internacional Horizon International Services, plataforma que junta a Auchan Retail, o Casino Group, o Metro e o Schiever Group, uma estratégia para aumentar “o poder negocial e competitividade nas relações com os grandes fornecedores de marcas de fabricante”.

No início do ano, durante uma apresentação à imprensa, a companhia revelou também ter planos para investir cerca de 25 milhões de euros no mercado português durante 2018, nomeadamente na remodelação de 100 lojas.

Em Portugal, o Grupo DIA conta com 630 lojas e cerca de 3900 colaboradores.