Sustentabilidade

The Body Shop: “Se lhe for dado o devido valor, o plástico pode ser sustentável”

A The Body Shop acaba de anunciar o lançamento do ‘Comércio com Comunidades de Plástico Reciclado’, em Bangalore, na Índia. De acordo com a empresa, a iniciativa pretende dar destaque ao lado humano, menos conhecido da crise do plástico, enquanto combate a poluição provocada por este material, fomentando a mudança social.

“O planeta tem excesso de plástico. O efeito devastador dos resíduos de plástico de uso único nos oceanos é conhecido, no entanto há nesta crise um fator humano que raramente é falado. Mais de 3 mil milhões de pessoas no mundo – quase metade da população do planeta – vivem sem acesso a uma recolha organizada de resíduos, o que origina uma economia paralela de recolha de lixo. Algumas das pessoas mais marginalizadas do mundo apanham lixo para depois tentar vendê-lo para ganhar a vida. Estes recolhedores, muitos deles mulheres, vivem frequentemente abaixo do limiar da pobreza e trabalham em condições terríveis, sendo desprezadas pela sociedade. Apesar disso, desempenham um papel crucial ao impedir que o plástico acabe nos rios e nos oceanos”, explica a The Body Shop.

Com o objetivo de consciencializar a sociedade para este problema, a The Body Shop junta-se à Plastics For Change para lançar um programa de comércio justo, defendendo que “banir o plástico não é solução”. “Se for usado com responsabilidade e se lhe for dado o devido valor, o plástico pode ser sustentável. A The Body Shop quer usar a reciclagem de plástico para ajudar a transformar vidas”, explica ainda a marca.

Na Índia, existem cerca de 1,5 milhões de ‘recolhedores de lixo’ que apanham 6 mil toneladas de plástico todos os dias que, de outra forma, acabariam nos oceanos e nos rios. Contudo, estas são pessoas em situação de vulnerabilidade social, com rendimentos incertos, o que dificulta o seu acesso a bens essenciais e serviços básicos como educação e saúde.

Para ajudar a mitigar este problema, a The Body Shop começou recentemente a utilizar plástico reciclado do Comércio com Comunidades nas suas garrafas de 250 ml de champôs e condicionadores. No futuro, as garrafas serão feitas com 100% de plástico reciclado (excluindo as tampas das garrafas). Desse total, 15% será plástico reciclado do Comércio com Comunidades; o restante será de plástico reciclado proveniente de fornecedores europeus.

“A The Body Shop irá progressivamente aumentar a quantidade de plástico reciclado proveniente do Comércio com Comunidades. Trabalhar com startups e pequenas comunidades de recolhedores implica começar em pequena escala e depois crescer de modo responsável e sustentável. Durante o ano de 2019 a The Body Shop comprará 250 toneladas de plástico reciclado proveniente de Comércio com Comunidades, para usar em quase três milhões de garrafas de 250 ml de champôs e condicionadores. Esta fase marca o início de uma ambição maior, que é a de introduzir o Comércio com Comunidades de Plástico Reciclado em todo o plástico PET (politereftalato de etileno) usado pela The Body Shop nos próximos três anos. Ao longo destes três anos vai registar-se um aumento na compra de plástico reciclado proveniente do Comércio com Comunidades para mais de 900 toneladas, ajudando a empoderar até 2500 recolhedores de Bangalore, que receberão um preço justo e estável pelo seu trabalho e acesso a melhores condições de trabalho”, explica a The Body Shop.

Andrew Almack, CEO da Plastics for Change, lembra que “a reciclagem de plástico é uma importante fonte de rendimento para o 1% da população mais marginalizada nas cidades do mundo e estamos muito entusiasmados por criar esta parceria com a The Body Shop para ajudar esses grupos a obterem os benefícios sociais e financeiros que merecem. Este é o primeiro programa no mundo de recolha de plástico para reciclagem proveniente de comércio justo certificado”.