Quantcast
Sustentabilidade

Mais de 50% das PME considera a sustentabilidade muito importante para o negócio

Um novo estudo da Sage, intitulado Small Business, Big Opportunity, mostra que a sustentabilidade é encarada pelas PME Portuguesas como um dos eixos-chave para o sucesso das suas organizações. De acordo com os resultados, 59% das PME portuguesas considera a sustentabilidade uma questão importante para o seu negócio – e destas, 21% afirma mesmo ser um fator central no que fazem

Um novo estudo da Sage, intitulado Small Business, Big Opportunity, mostra que a sustentabilidade é encarada pelas PME Portuguesas como um dos eixos-chave para o sucesso das suas organizações. De acordo com os resultados, 59% das PME portuguesas considera a sustentabilidade uma questão importante para o seu negócio – e destas, 21% afirma mesmo ser um fator central no que fazem.

Neste sentido, 48% das empresas inquiridas afirmam estar a reduzir o impacto ambiental das suas atividades, sendo que 47% já enveredou por esforços no sentido de encorajar os clientes a usar os seus produtos de forma mais sustentável.

 

“É possível concluir que há uma maior sensibilização das empresas em relação à importância de combater a crise climática e proteger o planeta – e a pressão externa para se tornarem mais sustentáveis também é uma realidade. De facto, 33% das PME diz sentir pressão dos clientes para reduzir o seu impacto ambiental, seguindo-se a pressão dos governos centrais (24%), da cadeia de abastecimento (22%) e da administração regional/local (20%)”, explica-se em comunicado.

Para 2023, em termos de prioridades, as empresas expressam vontade de tornar mais sustentáveis os seus negócios (33%), tirar partido da digitalização para utilizar menos recursos (27%), reduzir o desperdício e reciclar materiais (24%), implementar processos mais eficientes na própria empresa e na cadeia de abastecimento (20%) e desenvolver produtos mais sustentáveis (20%).

 

Em termos de obstáculos, “os desafios mais apontados pelas empresas inquiridas são a falta de retorno financeiro imediato (36%) e os custos onerosos de implementar políticas sustentáveis (35%). Outras das preocupações mencionadas são o tempo que é necessário despender (24%) e a crença de que os clientes não estão muito interessados nestas questões (19%), bem como a falta de competências e conhecimentos necessários para o levar a cabo (19%)”.