Quantcast
Economia

Black Friday: Cada vez mais portugueses compram apenas online

compras online

Num ano atípico, marcado pela pandemia de covid-19, os consumidores portugueses mantêm o interesse em aproveitar a campanha Black Friday, mas com uma grande mudança no canal de compra: haverá menos clientes nas lojas e uma maior afluência no canal online. Esta é uma das principais conclusões do estudo realizado pela Worten em parceria com a Netsonda.

De acordo com esse estudo, 36% dos consumidores portugueses tenciona fazer as suas compras Black Friday usando apenas o canal online, um crescimento de 22 pontos percentuais face a 2019 (14%). Em sentido contrário, este ano, a intenção de compra apenas em loja situa-se nos 12%, uma descida de 11 pontos percentuais face ao ano passado (23%).

Para Inês Drummond Borges, diretora de marketing da Worten, “o contexto da pandemia acelerou muitíssimo o consumo online, quebrando barreiras nos hábitos de compra de milhares de portugueses”. Por isso, acredita que “essa tendência veio para ficar e prova disso é o facto de, durante a próxima Black Friday, quase 40% dos portugueses admitir comprar exclusivamente online”.

De acordo com este estudo da Netsonda, a Worten continua a ser a marca que os portugueses mais associam à Black Friday: 77% identifica a marca como a insígnia, por excelência, desta campanha promocional herdada dos Estados Unidos da América e perto de metade dos inquiridos (48% face a 44% em 2019) recorda a Worten em top of mind.

Face a estas conclusões, “estamos a contar com um aumento significativo das vendas em Worten.pt, ao longo do mês de novembro”, adianta diretora de marketing, acrescentando que, este ano, “a grande alteração passa por estarmos durante todo o mês em campanha, para que se evitem picos de afluência e as visitas e compras possam ser feitas com tempo e com toda a segurança”.

Apesar da incerteza generalizada inerente à pandemia, 84% dos inquiridos mantém a expectativa de poder aproveitar este período promocional, planeando gastar, este ano, em média, 321,61€, um aumento de 17€ face a 2019.

Os homens continuam a ser os que tencionam gastar mais em compras na Black Friday, com 87% dos inquiridos a admitir comprar para eles próprios.

Este ano, os produtos mais procurados continuam a ser os tecnológicos (55%), com maior impacto no género masculino (62%), logo seguidos pelos produtos de moda e acessórios (49%), uma opção mais procurada pelo género feminino (61%). O 3.º lugar do ranking a este nível, este ano, são os eletrodomésticos (36%).