Quantcast
Retalho

“É um facto que todos vamos consumir muito mais produtos recondicionados daqui em diante”

A FNAC Portugal anunciou recentemente uma nova parceira com a Loving the Planet. A marca, por cada equipamento recondicionado vendido, está agora a oferecer um euro a esta iniciativa, numa parceria que nos é explicada por Rui Pepe – Diretor de Serviços da FNAC Portugal.

Nesta conversa com a DISTRIBUIÇÂO HOJE (que pode ler ou ouvir em áudio), o responsável da FNAC Portugal explica-nos ainda a “aposta” no mercado dos equipamentos recondicionados, isto quando, para além dos tradicionais equipamentos, a distribuidora se prepara para acrescentar novas referências ao seu portefólio.

Confira as resposta em baixo.

Reforçaram recentemente a parceria com a Loving the Planet numa iniciativa que doará 1 euro por cada equipamento recondicionado vendido. Em que se foca esta parceria?

Sim, de facto, foi com muito gosto que reforçámos a nossa ligação à Loving The Planet (LTP). A LTP é uma organização que visa alertar consciências e mudar comportamentos em prol da sustentabilidade do nosso Planeta.  É uma organização que admiramos muito, liderada por uma pessoa fantástica que é o Eduardo Rego – que se celebrizou sendo a voz portuguesa do Sir David Attenborough e dos programas de vida animal que há muitos anos “entra” pelas nossas casas – e que está felizmente a atrair forte atenção e a mobilizar para a causa de um planeta e uma vida melhor. Vamos desta vez apoiar através da doação de 1€ por equipamento recondicionado vendido, a divulgação de uma mensagem muito importante: o quão importante é entregar um equipamento para recondicionar (evitando no limite lixo eletrónico nefasto para o Planeta) e optar por consumir produtos recondicionados (evitando novo consumo de recursos naturais). Optar por um equipamento recondicionado deixou de ser uma opção conotada com “falta de dinheiro” para ser uma afirmação de consciência ambiental. Registamos com muito agrado e forma “cool” com que os nossos clientes fazem essa opção. Trata-se, pois, de escolha acertada para a “carteira” e para o Planeta e queremos dá-la a conhecer a todos os Portugueses com a ajuda da LTP.

Apostaram também no recondicionamento de equipamentos de forma mais vincada. Como tem corrido esta aposta e que números nos podem apresentar?

Sem dúvida, nem lhe chamaria uma aposta…no sentido em que só perderíamos se não o fizéssemos e de forma muito determinada. É um caminho que iniciámos e que não tem retorno. O grupo FNAC-Darty está já desde há algum tempo a trabalhar sobre essa realidade e tem dado passos muito concretos de resposta a essa mesma realidade, sendo um deles o lançamento da nossa marca FNAC RESTART.  O programa arrancou no final de 2019 e mesmo com a circunstância pandémica em Portugal que marcou 2020 e o primeiro trimestre deste ano, superámos já os 4000 equipamentos. A procura por equipamentos FNAC RESTART regista uma velocidade de crescimento à data superior a 50% versus período homólogo. Nas semanas recentes registámos momentos em que a captação de retomas alcançou um peso de 15% a 20% versus os equipamentos novos mais vendidos, o que é consideramos ser um indicador muito positivo. A nossa ambição é assumidamente muito forte. Garantimos a melhor valorização dos equipamentos dos clientes (somos assim quem mais oferece pelos equipamentos usados dos clientes) e lideramos também no preço de venda dos recondicionados (vendemos mais barato proporcionado poupanças na compra versus novo muitíssimo atrativas). Somos “nós próprios” a “transformar” os equipamentos, através da nossa CLÍNICA FNAC (que possui muitos anos de experiência como reparador autorizado pelos principais fabricantes de equipamentos) o que nos garante elevada qualidade. Para além de garantia de fabrico os nossos clientes podem contar que essa “garantia FNAC” de fazer bem e estar com o cliente.  O mercado tem reagido muito bem a esta proposta e notámos claramente a criação de uma cadeia de confiança e “passa-palavra” entre clientes.

Noutro âmbito, esta é também uma forma de dotar os equipamentos de ciclos de vida mais longos. É também com foco em questões de sustentabilidade que reforçam esta aposta?

Sem dúvida. Consumir é uma parte relevante e inevitável das nossas vidas, continuará a sê-lo, mas como o fazemos e as escolhas que fazemos têm um brutal impacto no Planeta, quer na vida de Pessoas, Animais à escala global. Sabemos que não podemos continuar a consumir recursos do planeta à escala que o fazemos hoje e que prolongar a vida de equipamentos e reutilizar é cada vez mais um imperativo. Aqui também contamos com o suporte da estratégia do grupo FNAC-DARTY que está muito focada no desempenho ambiental – apar além de funcional – dos produtos que comercializa. Somos a favor de prescrever uma “solução informada” aos nossos clientes, e com tal, aspetos como a reparabilidade, a durabilidade e o impacte ambiental de um produto ao longo de todo o seu ciclo-de-vida /desde a conceção ao momento em que se torna de facto obsoleto) são aspetos determinantes na opção de compra e que estamos determinados a dar a conhecer aos clientes no momento de escolha.

Além dos tradicionais equipamentos recondicionados, vão também passar a disponibilizar computadores e smartwatches. Qual a vossa expetativa neste âmbito?

O nosso plano passa por alargar ao um número significativo de categorias de produtos, inclusive, indo para além da eletrónica de consumo. De facto, iniciámos com smartphones, adicionando depois tablets e vamos exatamente esta semana alargar para computadores e smartwatches. A voz dos clientes tem-nos ajudado nesta seleção e estamos certos do sucesso destas novas categorias.