Medicamentos

60% dos medicamentos comprados online são falsificados

60% dos medicamentos comprados online são falsificados

Dados internacionais da GS1 apontam para cerca de 60% dos medicamentos comprados online são falsificados, contrafeitos ou não conformes, enquanto 15% do total do mercado será composto por medicamentos falsificados. Esta foi uma das principais revelações da V edição do “Seminário de Saúde”, da GS1 Portugal – Codipor (organização responsável pela introdução do código de barras em Portugal há mais de 30 ano.

A iniciativa que reuniu os principais operadores da Saúde teve como principal objetivo sensibilizar o setor para os benefícios da implementação de Standards que garantam a segurança na cadeia de valor, nomeadamente, os principais desafios associados ao impacto das Diretivas dos Medicamentos Falsificados e dos Dispositivos Médicos.

Na perspetiva dos operadores logísticos, Hugo Barbosa, diretor técnico da Rangel Pharma, abordou as obrigações específicas dos grossistas e os desafios identificados para a implementação da Diretiva, associados a constrangimentos operacionais e custos acrescidos. “A uma realidade de modelos de interface e de negócio distintos, incógnitas acerca das entidades a serem abrangidas e maturidade variável de clientes, as respostas possíveis apresentam-se através da possibilidade de agregação suportada pelo sistema de repositório, da avaliação da necessidade do número de registo e da existência de um período de transição”, referiu o responsável.

Já Sérgio Quinteiro, da direção de Logística e Suporte Operacional da Luz Saúde, para quem o cumprimento da Diretiva neste contexto apresentou dificuldades iniciais, destacou o processo logístico “mais complexo e demorado e possíveis constrangimentos de rede e de ligação às bases de dados nacional e europeia”.