Produção

Workshop da Nestlé analisa predisposição das crianças para gostar e comer frutas e legumes

Workshop da Nestlé analisa predisposição das crianças para gostar e comer frutas e legumes

No âmbito do Dia Internacional da família e na importância que esta tem na promoção de uma alimentação saudável desde a primeira infância, a Nestlé divulgou o estudo com os resultados da iniciativa internacional “Arte no Prato”.

Publicado pelo “Journal Of Nutrition Education and Behavior”, que avaliou mais de 400 crianças com idades compreendidas entre os 4 e os 14 anos que participaram na primeira edição deste workshop, em 2016, no estudo da Nestlé foi pedido às crianças, de 16 países de três continentes –Ásia, América e Europa -, que criassem, com a ajuda de um chef, um prato criativo com frutas e legumes.

Em todas as crianças foram avaliados os seus hábitos alimentares antes e depois do workshop, nomeadamente no que respeita ao consumo de frutas e vegetais e à sua habitual apetência para a ingestão destes produtos. O estudo demonstrou que o efeito positivo do manuseamento de frutas e vegetais pelas crianças resultou numa maior predisposição para gostar, escolher e passar a incluir estes alimentos no seu dia-a-dia. 30% das crianças aumentaram os seus níveis de satisfação e predisposição para o consumo de frutas e vegetais.

A “Arte no Prato” foi desenvolvida no âmbito do programa “Nestlé Por Crianças mais Saudáveis”, que promove a educação alimentar e para estilos de vida mais saudáveis nas escolas na grande maioria dos países onde a Nestlé está presente.

Em Portugal este programa está nas escolas dos ensinos pré-escolar e básico (1º, 2º ciclos) desde 1999 e conta com a chancela do Ministério da Educação. Anualmente, o programa impacta cerca de 400 mil crianças em todo o país, ensinando-lhes os conceitos de uma alimentação saudável inserida num estilo de vida ativo.

Este workshop internacional visou precisamente aferir a eficácia da utilização de estratégias de aprendizagem experiencial nos programas de educação escolar e de que forma estes podem estar associados a aumentos de consumos de frutas e vegetais. Os efeitos positivos destas atividades participativas devem-se sobretudo a fatores como: ter frutas e legumes como opções de escolha, aumentara familiaridade com estes alimentos, incrementar a atratividade dos mesmos e gerar um maior grau de motivação e orgulho na sua utilização e uma crescente valorização dos pratos criados pelas crianças num contexto positivo de atividades culinárias.