Comércio Internacional

Depois do Mercosul, União Europeia avança no livre comércio com o Vietname

Depois do Mercosul, União Europeia avança no livre comércio com o Vietname

Perante o protecionismo e o capitalismo de Estado, a União Europeia (UE) afirma-se no livre comércio internacional através de acordos com o Mercosul e o Vietname.

Depois de os Estados Unidos e a China ocuparem as primeiras páginas dedicadas ao G-20 com as tréguas temporárias, a União Europeia avançou com dois acordos históricos de livre comércio com o Mercosul e o Vietname. Estes acordos caracterizam-se, segundo a Crédito y Caución, por vários elementos fundamentais: “eliminação das tarifas de importação, simplificação dos procedimentos aduaneiros, melhor acesso aos concursos públicos, apoio às PME, direitos laborais e proteção dos agricultores”.

O acordo com o Mercosul é o primeiro significativo assinado por este bloco comercial desde a sua criação em 1991, que impulsionará o crescimento de mercados relativamente fechados na América do Sul, em especial o Brasil e a Argentina. É o maior acordo que a União Europeia já alcançou em termos de redução tarifária que afetará 91% das exportações europeias de mercadorias para o Mercosul. Os setores que mais beneficiam são o automóvel, componentes, máquinas, produtos químicos, farmacêutico, têxtil e alimentação, que atualmente suportam tarifas muito elevadas. O acordo inclui proteção contra imitações de produtos alimentares tradicionais europeus e procedimentos de segurança alimentar mais claros. O setor comercial que mais ganha no Mercosul é a agricultura, que vê barreiras reduzidas em 82% das suas importações. Por isso, o acordo, que deve ainda ser aprovado pelo Conselho e pelo Parlamento Europeu e pelas legislaturas nacionais dos países membros de ambos os blocos, enfrenta forte oposição por parte dos agricultores europeus, especialmente em França. Além disso, existe o risco da Argentina optar pela exclusão voluntária.

O acordo com o Vietname, que exigirá o mesmo processo de aprovação, eliminará 99% das tarifas de ambas as partes, reduzirá as barreiras regulatórias e os procedimentos burocráticos. Cento e sessenta e nove produtos europeus tradicionais estarão protegidos contra as imitações no mercado vietnamita.

Na opinião da Crédito y Caución, “o Vietname é uma das economias emergentes com mais oportunidades para os exportadores”. Com a eliminação de 99% das tarifas, “vários setores da União Europeia irão beneficiar de um melhor acesso ao mercado: automóvel, máquinas, produtos químicos, farmacêutico, laticínios, vinho ou chocolates”.