Retalho

Sonae MC ultrapassa os 2 mil milhões de euros em volume de negócios

Receitas da Sonae MC aumentam para 4,7 mil milhões

A Sonae MC contribuiu de forma significativa para os resultados globais do grupo liderado agora por Cláudia Azevedo. Na realidade, os 2,180 mil milhões de euros obtidos pela operação de retalho da Sonae no primeiro semestre de 2019, correspondendo a uma evolução de 10% em termos homólogos (+3,9% Like-for-Like no semestre e + 6,7% no 2.ª trimestre) foram os grandes responsáveis pelo grupo chegar aos 2,985 mil milhões de euros em volume de negócios nos primeiros seis meses de 2019.

Esta performance faz com que o volume de negócios da Sonae tenha registado um crescimento de 11% face a igual período do ano passado, levando a CEO do grupo a afirmar que “a Sonae teve um primeiro semestre muito positivo, com forte crescimento, melhorias de rentabilidade e importantes marcos em termos de gestão de portfólio”, admitindo a irmã de Paulo Azevedo que lhe passou o testemunho em meados deste ano que “dado este conjunto de resultados, a robustez da nossa proposta de valor e a força das nossas equipas de gestão, permanecemos confiantes que 2019 será um ano muito positivo para a Sonae”.

Durante este período, a operação de retalho alimentar abriu 30 novas lojas operadas (incluindo 5 lojas Continente Bom dia e 1 loja Continente Modelo) e adquiriu a Arenal (com um total de 42 lojas no final do 1S19).

Já em termos de rentabilidade operacional, o EBITDA subjacente da Sonae MC ascendeu a 207 milhões de euros, aumentando 26,4 milhões de euros em termos homólogos, indicando o grupo que a margem EBITDA subjacente atingiu 9,5%, face a 9,1% no primeiro semestre do ano transato.

No retalho de eletrónica, a Worten atingiu um volume de negócios de 473 milhões de euros no semestre, em linha com o ano passado, indicando o grupo que “a estabilidade do volume de negócios, conjugada com os esforços continuados com vista à transformação digital, levaram a um EBITDA subjacente de 15 milhões de euros”.

“Este desempenho é o resultado de um aumento das vendas em termos homólogos no segundo trimestre, de 2%, apesar de em 2018 as vendas terem disparado na categoria de imagem (nomeadamente em televisores) devido ao Mundial de Futebol”, refere a companhia em comunicado.

Em linha com a sua estratégia omnicanal baseada na digitalização, o Marketplace da Worten está a evoluir de forma positiva, reforçando o crescimento das suas vendas online, que se situou acima de 50% no 2.º trimestre de 2019 em Portugal. “Face a este sucesso, a Worten decidiu reforçar a sua estratégia omnicanal em Espanha, implementando um programa ambicioso para melhorar a rentabilidade nesta geografia a curto-médio prazo, que inclui o reforço da aposta no online, a maior eficiência de custos na estrutura e a suspensão de lojas com menor retorno”, lê-se no comunicado.

No campo da moda, a Sonae Fashion apresentou um crescimento do volume de negócios nos primeiros seis meses de 2019, com uma evolução de 7,4% em termos homólogos (+10.2% LfL), com todas as marcas a registar valores de LfL elevados no período. Em termos de rentabilidade, a Sonae Fashion foi capaz de melhorar o EBITDA subjacente em 2,3 milhões de euros, atingindo uma margem de 6,3%. Estas melhorias estão alavancadas nos “benefícios do plano de transformação em curso, focado na maior agilidade, digitalização e componente fashion das marcas”, salienta a companhia liderada por Cláudia Azevedo.

A Sonae realça ainda que “todas as insígnias têm atingido metas importantes no e-commerce” e, em conjunto, foram capazes de aumentar em mais de 30% as vendas online no primeiro semestre de 2019.