Quantcast
Retalho

Leroy Merlin conta com nova loja no Funchal

A Leroy Merlin já abriu as portas da sua nova loja no Funchal. Em comunicado, a marca refere que, desta forma, “vai trazer até aos habitantes da Região autónoma da Madeira uma oferta mais diversificada de produtos e serviços de bricolage, construção, decoração, cozinha, casa de banho e jardim”.

A loja do Funchal conta com 190 colaboradores, 120 destes são novas contratações e foi totalmente integrada na nova loja a equipa que fazia parte da loja Aki do Funchal.

 

Esta abertura enquadra-se no processo de convergência entre a Leroy Merlin e o Aki, ambas insígnias pertencentes ao grupo ADEO. Deste processo, anunciado em junho de 2018, nasceu em janeiro de 2019 uma nova empresa única que une as duas empresas e marcas. Em consequência da abertura desta nova loja encerra o Aki Funchal.

A Leroy Merlin Funchal é a primeira loja de grande dimensão que a empresa inaugura nas Regiões Autónomas. A abertura desta tipologia de loja enquadra-se na implementação do multiconceito, com espaços comerciais de pequena, média e grande dimensão complementares entre si e apoiados pelo canal online.

O novo espaço conta com uma superfície de venda com mais de 11 mil metros quadrados, nos quais se incluem três mil metros quadrados da área de materiais de construção.

Os Espaços Projeto, zonas onde o cliente pode contar com o aconselhamento de assessores especializados para desenvolver projetos, e um Atelier de Decoração, espaço dedicado ao aconselhamento do cliente, estão presentes na nova loja.

Nesta nova loja, os Clientes podem ainda encontrar outras valências, tais como um drive-in específico para materiais de construção um local de recolha de mercadoria e serviços como corte de madeira, financiamento, entrega ao domicílio em toda a ilha da Madeira e Porto Santo, instalação e muitos outros.

O espaço do Funchal vai ter painéis fotovoltaicos disponíveis desde a abertura. No total, a Leroy Merlin instalou 1.032 módulos na loja, cuja produção vai representar – estima-se – 42% das necessidades energéticas do edifício.