Quantcast
Retalho

Grupo DIA alcança EBITDA de 124 milhões de euros em 2021

O Grupo DIA – detentor dos supermercados Minipreço – vai aumentar o seu capital até um total de 1.028 milhões de euros.

O grupo DIA manteve o seu EBITDA estável nos 124 milhões de euros em 2021, com um crescimento 1,1% superior relativamente a 2020. Em comunicado, a empresa explica que o valor “reflete os resultados positivos da gestão operacional em curso e do controlo de custos, apesar de um ambiente de aumento de preços da energia e das matérias-primas”.

O aumento do preço da eletricidade acarretou um sobrecusto de 40 milhões de euros para o Grupo, principalmente em Espanha, o que aumentou os gastos de exploração. As vendas líquidas alcançaram os 6.648 milhões de euros, o que pressupõe menos 3,4% do que no exercício de 2020. Esta descida é motivada, essencialmente, pela redução de 3,8% no número de lojas no final do período e pela desvalorização do real brasileiro e do peso argentino.

 

As vendas em superfície comparável (Like-for-Like) registaram um aumento de 5% em 2021, relativamente a 2019. Por seu lado, se comparado com 2020, o Like-for-Like caiu -3,6%. Isto deve-se às compras de abastecimento extraordinárias registadas pelo Grupo em 2020.

Por seu lado, o resultado líquido atribuível, que foi negativo, melhorou 29,3% devido a uma redução de 60,2% nos gastos financeiros, como resultado de menores custos de financiamento e uma gestão ativa do risco de tipo de câmbio

Sobre o conflito na Ucrânia

 

A empresa comentou ainda a situação da Ucrânia, conflito pelo qual a companhia mostrou a sua “mais absoluta rejeição”. “Queremos transmitir ao povo ucraniano uma mensagem de solidariedade e apoio pelas consequências humanitárias desoladoras que estão a afetar milhões de pessoas e que nos enchem de grande preocupação”, comentou o presidente executivo do Grupo DIA, Stephan DuCharme.

Quanto à questão de um dos investidores, o russo Mikhail Fridman, ter sido sancionado, o grupo informa que “não foi atualmente afetado de forma alguma”.

 

“Nenhum acionista da LetterOne [acionista maioritária], incluindo o Sr. Fridman, ostenta, nem individualmente nem mediante acordo com outros acionistas, o controlo da LetterOne. Portanto, nem a LetterOne, nem consequentemente o Grupo DIA, estão sujeitos a qualquer sanção”, conclui.