Quantcast
Sustentabilidade

Nestlé diz adeus a embalagens não recicláveis

Nestlé Portugal já criou mais de 1600 oportunidades de emprego jovem desde 2014

A Nestlé anunciou esta terça-feira (10 de abril) que pretende tornar todas as suas embalagens 100% recicláveis ou reutilizáveis até 2025. De acordo com a empresa, o seu objetivo é que nenhuma das suas embalagens, nomeadamente os plásticos, termine o seu ciclo de vida em aterros.

Mark Schneider, CEO da Nestlé, sublinha que “o desperdício de plástico é uma das questões mais urgentes que o planeta enfrenta hoje no capítulo da sustentabilidade. Esta questão requer uma abordagem coletiva. A Nestlé está comprometida em encontrar as melhores soluções para reduzir, reutilizar e reciclar. A nossa ambição é alcançar os 100% de embalagens recicláveis ou reutilizáveis até 2025.”

 

Para atingir esta meta, a empresa irá concentrar os seus esforços em três vetores: eliminação de plásticos não recicláveis da sua cadeia de produção; incentivo ao uso de plásticos que permitam melhores taxas de reciclagem; e eliminação ou alteração de combinações complexas de materiais de embalagem.

A Nestlé diz ainda que pretende rotular as suas embalagens em plástico com informações de reciclagem para ajudar os consumidores sobre a forma mais correta de as descartar e promover um mercado de plásticos reciclados, continuando a aumentar a proporção de utilização de plásticos reciclados nas suas embalagens, incluindo 25% de conteúdo reciclado até 2025 em garrafas PET na Europa.

 

Gesine Meissner, membro do Parlamento Europeu, congratula este compromisso e refere que “os compromissos da Nestlé são o passo certo na hora certa. Considerando o desafio dos resíduos de plástico e da poluição em terra e também no mar, precisamos de uma abordagem abrangente e global da indústria, dos políticos e dos consumidores. A ambição de embalagens 100% recicláveis ou reutilizáveis até 2025 ajudará a resolver a questão dos resíduos de plástico e, para tal, o envolvimento de todos no desenvolvimento da infraestrutura é crucial, já que precisamos agir globalmente.”