Quantcast
Tendências

Millennials portugueses são os que mais seguem lojas nas redes sociais

Instagram já permite fazer pagamentos de compras diretamente na aplicação

77% dos Millennials portugueses seguem lojas nas redes sociais, um valor acima da média europeia, de 55%. De acordo com o mais recente estudo do Observador Cetelem, entre os indivíduos que estão acima dos 35 anos, 57% dos portugueses afirmam seguir lojas nas redes sociais, sendo este um valor superior à média europeia (39%).

O estudo revela que por detrás desta tendência está o facto de os Millennials quererem seguir a atividade das marcas e gostarem dos conteúdos que estas divulgam. Assim, 52% dos inquiridos nacionais afirmam já terem, por exemplo, assistido a um vídeo de uma loja nas redes sociais, quando apenas 37% dos europeus, em média, o fizeram. Vídeos é também um tipo de conteúdo apreciado por 67% dos Millennials portugueses, um valor superior à média dos seus congéneres europeus em 18 pontos percentuais.

“Longe de serem consumidores-espetadores, os Millennials não hesitam também em mostrar-se ativos e participantes nas redes sociais. 36% deles já fizeram perguntas online a um comerciante e 29% já participaram em pelo menos um fórum de discussão. Os jovens adultos portugueses são, neste contexto, os segundos maiores adeptos destas práticas com 47% e 28%, respetivamente, sendo ultrapassados apenas pelos italianos”, revela ainda o Observador Cetelem.

Por outro lado, os consumidores com mais de 35 anos demonstram ser um pouco mais conservadores na escolha dos media sociais para entrarem em contacto com marcas. Apenas 25% dos europeus e 35% dos portugueses fizeram, por exemplo, uma pergunta via redes sociais. Já a participação num debate sobre uma determinada marca nas redes é assumida por apenas 22% dos europeus e portugueses nesta faixa etária.

A compra de um produto ou serviço encontra-se em último lugar entre as razões para a interação com as lojas e marcas através das redes sociais. Ainda assim, em média 38% dos Millennials europeus afirmam já ter feito uma aquisição, face a 31% dos jovens portugueses.