Quantcast
Retalho

Continente compra mais de 71 milhões de euros à produção nacional em 3 meses

Continente_2

Nos primeiros três meses de 2020, o Continente comprou mais 71,3 milhões de euros em produtos nacionais, sendo que, no segmento frutas e legumes, um dos que mais procura regista durante a pandemia, as compras nacionais representam um crescimento superior a 4 milhões de euros em relação a 2019, superando os 28 milhões de euros.

A aposta e necessidade, fez com que, em apenas 2 semanas, o Continente tivesse integrado 40 novos membros no Clube de Produtores Continente (CPC) e comprado mais cinco milhões de euros em bens agroalimentares no 1.º trimestre de 2020 que no ano anterior.

Esta ajuda à produção nacional no escoamento de produtos nesta fase de emergência, traduziu-se, no que diz respeito ao talho, no contacto proativo de produtores de carne e associações do sector para escoamento do excesso de produção,

Deste modo, o Continente adquiriu mais 1.500 toneladas de carne nacional nos três primeiros meses deste ano do que em 2019, o que representa 37 milhões de euros e um peso de 80% no total de compras neste segmento. Na carne de bovino, especificamente, a marca triplicou o valor comprado a produtores nacionais e, do total de frango disponível nas lojas, 92% é de origem nacional.

Já o pescado é adquirido diariamente em 14 lotas portuguesas e, em 2020, essas compras já atingiram um volume superior a 550 toneladas. Além disso, a marca aumentou em mais de 50% as compras de espécies como robalo, dourada, pregado e truta a projetos nacionais de aquacultura. Este valor continuará a crescer significativamente, já que o Continente está a participar no desenvolvimento de um projeto de aquacultura nacional, que produzirá cerca de 1.200 toneladas de dourada portuguesa a partir do 2º trimestre do ano.

Para apoiar os produtores numa fase de desafio económico, o Clube de Produtores Continente criou ainda um programa de pagamentos antecipados aos pequenos produtores para ajudar nas condições de tesouraria dos mesmo.

“O momento exige uma atitude responsável e mobilizadora. É isso que estamos a desenvolver ao alargar a rede do Clube de Produtores Continente”, afirma Ondina Afonso, presidente do Clube de Produtores Continente.

A responsável por este projeto salienta ainda que “precisamos de apoiar, de um modo sustentado, aqueles que sentem mais de perto os efeitos de uma crise de dimensões ainda por definir”.

As vendas de produtos portugueses nas lojas Continente têm aumentado progressivamente, sendo que no último ano foram adquiridas mais de 160 mil toneladas de bens agroalimentares, entre os quais produtos exclusivos de origem certificada como as laranjas do Algarve, maçãs de Alcobaça e da Beira Alta ou a pera rocha do Oeste.

De referir que a distribuição alimentar foi identificada como um serviço crítico pelo Governo.