Quantcast
Sustentabilidade

Concurso ‘Mares Circulares’ da Coca-Cola premeia projetos que combatem lixo marinho

Resíduos Marinhos

A Coca-Cola premiou, no âmbito da terceira edição do concurso ibérico Mares Circulares, três estudos científicos e uma start-up, para que possam continuar a desenvolver iniciativas de combate aos resíduos marinhos. Cada um dos estudos recebeu 5.400 euros e a start-up 5.000 euros de capital semente.

O concurso, coordenado pela Associação Chelonia com o apoio da Liga para a Proteção da Natureza (LPN), faz parte do programa Mares Circulares, um projeto em rede promovido pela Coca-Cola em Portugal e Espanha e co-financiado pela The Coca-Cola Foundation, para combater a problemática do lixo marinho.

Através desta iniciativa, a Coca-Cola implementa a sua estratégia global “World Without Waste”, que na Europa Ocidental se traduz no plano de ação “Avançamos”. “Um dos pilares deste plano – embalagens – preconiza o compromisso da marca em recolher e reciclar o equivalente a 100% das embalagens que vende”, lê-se em comunicado.

“Na Coca-Cola estamos firmemente empenhados em assegurar que nenhuma das nossas embalagens acabe como resíduo, mas seja integrada de novo no ciclo de produção como matéria-prima”, afirma Ana Gascón, diretora de responsabilidade corporativa da Coca-Cola Iberia.

Por sua vez, o diretor de relações externas, comunicação e sustentabilidade da Coca-Cola European Partners Portugal, Márcio Cruz, salienta a importância de ´Mares Circulares´ em Portugal, por ser “um projeto que apoia a investigação e a atuação na procura de soluções para combater o lixo marinho, uma das grandes preocupações da atualidade, numa lógica de economia circular”.

Nesse sentido, “o concurso ´Mares Circulares´ permite não só valorizar projetos inovadores, mas também mostrar que existem pessoas e entidades, de várias áreas, que se dedicam ativamente a esta causa”, adite o presidente da direção nacional da LPN, Jorge Palmeirim.

Projetos vencedores

  • O estudo de Maria Teresa Ferreira Cesário, da Associação do Instituto Superior Técnico para a Investigação e Desenvolvimento (Lisboa): “Valorização de macroalgas inteiras e residuais a bioplásticos e ingredientes proteicos sustentáveis para aplicação em alimentação aquática”;
  • “Energy recovery of microplastics in hotspots in the Macaronesia (VALORIZAMAC)”, dirigido por Javier Hernández Borges, da Universidade de La Laguna (Santa Cruz de Tenerife);
  • “Plumbum”, liderado por uma equipa da Associação Hippocampus composta por Juan Diego López Giraldo e José Luis Alcaide Sanjurjo (Murcia);
  • “FYCH: Start-up de base tecnológica dedicada ao desenvolvimento e comercialização de uma nova tecnologia para reciclar embalagens de multicamadas”, apresentado por Andrea Cabanes Gil e promovido pelos parceiros da start-up: Andrea Cabanes, Oksana Horodytska, Andrés Fullana e a Alicante Science Park Foundation.

O projeto “Mares Circulares” recolheu, este ano, um total de 254,54 toneladas de resíduos, das quais quase 3 toneladas são PET. “Conseguiu-se formar e sensibilizar 5.663 pessoas. Já está disponível também uma formação interativa on-line para todos os interessados, tanto em Portugal como em Espanha”, de acordo com o mesmo comunicado.