Produção

UE preparada para apoiar os agricultores europeus no possível cenário de “não negociação” do Brexit

UE preparada para apoiar os agricultores europeus no possível cenário de “não negociação” no Brexit

Embora o acordo de retirada negociado entre a União Europeia (UE) e o Reino Unido continue a ser o melhor resultado possível, a UE está preparada para um possível cenário de “não negociação” na área da agricultura.

A UE continua empenhada em proteger a agricultura e os interesses agrícolas dos cidadãos da UE, referindo que a Política Agrícola Comum (PAC) tem ferramentas existentes que podem ser ativadas no caso de perturbações do mercado e podem atuar como redes de segurança, tais como intervenção pública, armazenamento privado, prevenção de crises e gestão de riscos.

A Comissão Europeia já utilizou essas medidas, bem como auxílios estatais no passado, por exemplo, durante o período 2014-16, para resolver o desequilíbrio do mercado e para ajudar os agricultores nas dificuldades do fluxo de caixa a curto prazo.

Numa conferência de imprensa recente, realizada em Bruxelas, o comissário para a Agricultura, Phil Hogan admitiu que “hoje, estamos a falar de um cenário de não negociação, em cujo caso o que podemos dizer com certeza é que haverá uma interrupção significativa em certos mercados agrícolas. Com base nisto, chegámos à conclusão de que a Comissão Europeia tem a obrigação legal de intervir e nós o faremos. A intervenção precoce tem o benefício de fornecer apoio não só aos agricultores, mas dá confiança ao mercado do compromisso da Comissão para com o sector agro-alimentar”.

A Comissão publicou também na sua base de dados Market Access informações pormenorizadas sobre as regras que o Reino Unido aplicaria às suas importações da EU no caso de um cenário de “não negociação”. Estes dados baseiam-se em informações disponibilizadas publicamente pelas autoridades do Reino Unido. A base de dados contém informações para 121 países e, a partir de hoje, também fornece o mesmo nível de informação para as exportações para o Reino Unido, assim como para quaisquer outros parceiros comerciais da UE, como os EUA ou a China.