Conferências DH

Conferências DH discutem impacto do turismo no retalho e nas marcas

Conferências DH discutem impacto do turismo no retalho e nas marcas

Mais de 180 pessoas aceitaram o convite da revista Distribuição Hoje (DH) e da IFE by Abilways para assistir à 14.ª edição das Conferências DH, realizada no Museu do Oriente, em Lisboa na tarde de ontem [2 de julho]. O turismo foi o mote e não há dúvidas do que representa para o setor.

De que forma comunicam as marcas com o cliente estrangeiro? Como adaptam os produtos nacionais aos turistas? O retalho tem beneficiado do impacto do turismo? Ou não se retiram assim tantos benefícios a longo prazo? Dados do Turismo de Portugal indicam que “o setor do turismo é a maior atividade económica exportadora do país, sendo responsável, em 2018, por 51,5% das exportações de serviços e por 18,6% das exportações totais, tendo as receitas turísticas registado um contributo de 8,2% no Produto Interno Bruto (PIB) português”.

A primeira parte das Conferências DH foi dedicada à apresentação da Deloitte subordinada ao tema “O Turismo no Retalho”, da responsabilidade de Pedro Miguel Silva, associate partner for stratergy&operations na consultora, que apresentou dados do impacto direto do turismo nas vendas em lojas especializadas e de luxo, na distribuição moderna, e nas marcas de bens de grande consumo. Por outro lado, realçou a dinâmica da importância das lojas de conveniência e proximidade. O orador conclui que “o turismo em Portugal, no ano de 2018, foi a maior atividade económica exportadora, sendo responsável por 51,5% das exportações de serviços e por 18,6% das exportações totais. Além disso, gerou 328.500 empregos, o correspondente a 6,7% na economia nacional. A Deloitte concluiu ainda que houve um crescimento do número de hóspedes (+3,8%), receitas turísticas (+9,6%) e proveitos globais (+7,3%)”.

Seguiu-se a apresentação de Paula Antunes da Costa, country manager da Visa, que optou por falar dos pontos-chave e das oportunidades para uma melhor experiência dos turistas em Portugal destacando as várias formas de pagamento disponíveis e aquelas que não são usadas no nosso país e que podem ser um entrave a uma boa experiência do cliente estrangeiro, habituado a pagar, de forma rotineira, com smartphone ou recorrendo às novas tecnologias.

“Proximidade e Conveniência: a resposta do Retalho ao Turismo” foi o mote para a primeira mesa redonda da tarde, moderada pelo diretor editorial da DH, Victor Jorge, com a participação de Gonçalo Lobo Xavier, diretor-geral da Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição (APED), Paula Antunes da Costa, country manager da VISA, Luís Pereira Santos, managing partner da McCann Lisbon, Nuno Oliveira, regional business director ibéria da VIA Outlets e Amaro Amaral, diretor de Operações do Continente do Bom Dia. Cada um dos participantes explicou aos presentes algumas das estratégias utilizadas no contacto com os turistas salientando a necessidade de haver um esforço conjunto entre várias entidades e de uma adaptação das empresas nacionais aos turistas de mais de 120 nacionalidades que visitam Portugal ao longo do ano. Falou-se ainda da necessidade de haver uma mudança de mentalidade por parte de consumidores mais desconfiados e ligados a alguns mitos infundados no que respeita à segurança das compras online e do e-commerce, por exemplo.

Carlos Cotos, country manager da Kantar dedicou a sua apresentação ao tema “Como as marcas vão ao encontro do turista” começando por demonstrar de que forma é que as receitas turísticas têm contribuído fortemente para o PIB português e indicando que “a população duplica com turistas estrangeiros”.

A 14.ª edição das Conferências DH culminou com a mesa redonda “Como as marcas vão ao encontro do turismo”, com a participação de Anastasia Afanasieva, business intelligence and shopper manager / consumer and market intelligence department / marketing da Sociedade Central de Cervejas e Bebidas, Pedro Pimentel, diretor-geral da Centromarca e Otto Teixeira da Cruz, diretor de vendas e marketing Portugal e Export Sales Manager do Grupo Sovena.

Os convidados falaram dos desafios que as marcas enfrentam de forma a colocar os seus produtos no estrangeiro tornando-os acessíveis aos turistas que visitam Portugal quando regressam aos seus países de origem. Que mensagens devem ser passadas? Como comunicar com os mesmos e que proveitos podem ser retirados do acréscimo do turismo no nosso país? E de que forma se pode usar uma comunicação transversal a consumidores de várias nacionalidades, com diferentes gostos, culturas e necessidades?

Com diferentes perspetivas, os oradores partilharam com a plateia as suas visões e as estratégias seguidas pelas empresas que representam no sentido de aproximar os produtos aos visitantes em Portugal, e focaram os desafios que o turismo traz atualmente às marcas nacionais.

Leia a reportagem alargada das Conferências DH na próxima edição da Distribuição Hoje.