Retalho

Vendas no retalho abrandam em março

Vendas a retalho na zona euro caem 0,6% em julho

O Índice de Volume de Negócios no Comércio a Retalho analisado pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), registou uma variação homóloga de 4,2% em março (4,9% no mês anterior), correspondendo, assim, a um abrandamento de 0,7 pontos percentuais (p.p.) face ao mês anterior.

Os dados do INE indicam que, no 1.º trimestre de 2019, as vendas no comércio a retalho subiram 4,9% em termos homólogos (5,0% no 4.º trimestre de 2018).

A desaceleração do índice total foi determinada pelo agrupamento Produtos Alimentares, que desacelerou 2,6 p.p., mais que compensando a aceleração de 0,9 p.p. do agrupamento Produtos Não Alimentares. As variações homólogas destes agrupamentos foram de 1,0% e 6,9% em março, respetivamente.

Comparando com o mês anterior, as vendas no comércio a retalho cresceram 1,2% (variação de -0,6% no mês precedente), referem os dados mais recentes do INE. As variações em cadeia dos agrupamentos de Produtos Alimentares e Produtos não Alimentares foram, respetivamente, 1,3% e 1,1% (-0,9% e -0,4% em fevereiro).

Em termos nominais, o índice agregado apresentou um aumento homólogo de 4,6% em março (4,3% no mês anterior). As variações dos índices dos agrupamentos Produtos Alimentares e Produtos não Alimentares situaram-se em 2,1% e 6,6% (4,6% e 4,0% em fevereiro, pela mesma ordem).

No 1.º trimestre de 2019, as vendas no comércio a retalho deflacionadas subiram 4,9% em termos homólogos (5,0% no trimestre anterior). O agrupamento Produtos alimentares registou uma variação de 3,5% (4,7% no 4.º trimestre de 2018), enquanto o agrupamento Produtos não alimentares aumentou 6,1% (5,3% no trimestre anterior).