E-commerce

Vendas de FMCG online mantêm-se estáveis em Portugal quando globalmente crescem 20%

Vendas de FMCG online mantêm-se estáveis em Portugal quando globalmente crescem 20%

As vendas online de Fast Moving Consumer Goods (FMCG) mantiveram-se estáveis em Portugal no ano 2018. Os últimos dados da Kantar mostram que, em Portugal, a quota das vendas online de FMCG no total de vendas de produtos manteve-se nos 1,6%, ou seja, igual valor que em 2017.

Globalmente o peso das vendas online na totalidade do mercado de FMCG aumentou para 5,1%, em 2018, quando, em 2017, era de 4,3%. Entre os países com maior quota de vendas online no FMCG, destaque para Coreia do Sul (19,1%), China (14%) e Taiwan (8,2%), verificando-se que, de facto, é na Ásia que os consumidores mais aderem às compras online de FMCG.

Na Europa, é o Reino Unido que demonstra maior quota do online nas vendas totais de FMCG (7,2%), embora este valor seja igual ao de 2017. Em segundo lugar, aparece a França (5,6%), seguida da Holanda (4,5%).

Como já referido, Portugal aparece com uma quota de 1,6% que, embora baixa, coloca o país, mesmo assim, à frente da Alemanha (1,5%), Polónia (1,1%) ou Croácia (0,6%).

Vendas de FMCG online mantêm-se estáveis em Portugal quando globalmente crescem 20%Por sua vez, as vendas online de FMCG cresceram 20,3% globalmente, em 2018, representando, como já referido, 5,1% das vendas de supermercados em todo o mundo.

Globalmente, são os “online pure players” como Amazon, Alibaba e JD.com que estão a ganhar no mercado de e-commerce, continuando a atrair novos compradores. Os players puros agora representam 72% das vendas online, registando um crescimento coletivo de 29% em 2018.

Face a esta concorrência, os retalhistas que operam nos canais físico e e-commerce cresceram apenas 3%, apontando a análise da Kantar que, “reduzir o atraso na entrega e a oferta de opções gratuitas ou mais baratas ajudaria os retalhistas multicanais a diminuir essa lacuna”.

Os gigantes estão a dominar os dois lados do globo – a Amazon agora representa 53% de todas as vendas online de FMCG nos EUA -, embora os números mostrem que na Europa ainda não tenha conseguido atingir iguais performances (alcançou 8,9% e 5% de participação de mercado de FMCG na Alemanha e França, respetivamente, não indo além dos 3,2% em Espanha e 1% no Reino Unido).

Eric Batty, diretor global de desenvolvimento de negócios de e-commerce da Divisão Worldpanel, Kantar, refere que, “enquanto as vendas online de retalhistas multicanal na Europa tendem a concentrar-se em alimentos e bebidas tradicionais, as vendas da Amazon são mais direcionadas aos cuidados pessoais”. Em França, por exemplo, o responsável da Kantar refere que, “enquanto a Amazon é a líder online em cuidados pessoais, para comida e bebida ocupa apenas o sétimo lugar”, indicando que os retalhistas tradicionais têm obtido sucesso no conceito click-and-collect”.

A Kantar prevê que o online representará quase um terço das vendas totais de FMCG na China até 2025 e um quarto na Coreia do Sul. No Reino Unido e em França, esses números deverão atingir 9% e 8%, respetivamente, no mesmo período.

Stéphane Roger, diretor global de compras e varejo da Divisão Worldpanel, Kantar, conclui que, “até 2025, o comércio eletrónico representará 10% de todos os gastos de FMGC em todo o mundo, o dobro do valor atual. A integração online e offline, a tecnologia inteligente e as opções direct-to-consumer ajudarão a atrair novos compradores online, onde atualmente a penetração é de apenas 21%”.