Quantcast
Retalho

Sonae cresce 9% e apresenta EBITDA de 1000 milhões de euros

D.R.

A Sonae apresentou esta quarta-feira, 13 de março, os seus resultados do ano de 2023, anunciando ter verificado um crescimento de 9,2%, com um volume de negócios consolidado que ascendeu a 8,4 mil milhões de euros.

Lembrando o exigente contexto competitivo, a empresa diz ter conseguido reforçar a sua posição de liderança de mercado, aliando essa dinâmica a um forte investimento na expansão dos negócios. Segundo o explicado em comunicado, o EBITDA ascendeu a cerca de mil milhões de euros, com a rentabilidade pressionada pelos esforços para absorver parte da pressão inflacionista, sobretudo nos formatos de retalho alimentar.

 

Desta forma, o resultado líquido atribuível aos acionistas atingiu os 357 milhões de euros, com os impactos do apoio às famílias, do aumento dos custos financeiros e dos impostos, e do investimento na expansão e digitalização dos negócios a serem mais do que compensados por ganhos de eficiência e mais-valias realizadas com alienação de ativos.

Em termos de investimento consolidado, a Sonae totalizou 665 milhões de euros, aumentando 5% com expansão orgânica dos negócios e aquisições, sendo que a divida líquida diminuiu 3% para 526 milhões de euros, “reforçando a já forte posição financeira do Grupo, sendo que 83% das linhas de crédito de longo prazo já estão indexadas a critérios de sustentabilidade, green ou ESG”.

 

Nós últimos dias, a Sonae anunciou também a conclusão da OPA sobre a Musti, alcançando o grupo português uma participação de 80,65%,.

Além disso, a empresa retalhista estabeleceu também uma parceria com o Bankinter Consumer Finance no Universo, visando  criar um operador de referência no crédito ao consumo em Portugal, concluindo também a alienação da sua participação na ISRG, por 300 milhões de euros

 

Por fim, a empresa lusa estabeleceu também um acordo para a combinação da Druni e Arenal, além de ter investido em oito empresas tecnológicas, passado a deter 100% da Sierra e anunciado a criação da Sparkfood, após um investimento de 110 milhões de euros, em empresas inovadoras dedicadas ao desenvolvimento de soluções alimentares sustentáveis e saudáveis.

No caso do retalho alimentar, a MC conseguiu consolidar a sua posição de liderança. “O volume de negócios aumentou 10,5% em termos homólogos, para 6,6 mil milhões de euros (LfL de +8,9%), impulsionado quer pelo formato de retalho alimentar, quer pelo segmento de saúde, bem-estar e beleza que apresentou resultados notáveis com um crescimento LfL de dois dígitos”, explica-se em comunicado.

 

No retalho de eletrónica, a Worten reforçou a sua posição de mercado, tanto em Portugal como nas Canárias, bem como online e offline, explica-se em documento partilhado com os jornalistas. O volume de negócios total da Worten atingiu os 1,3 mil milhões de euros em 2023, +4,9% face ao ano passado e um LfL de +4,3%.

Em nota partilhada com a comunicação social, Cláudia Azevedo, presidente da Sonae, lembrou que “2023 foi um ano marcante para a Sonae, um ano em que continuámos a crescer e a gerar valor para todos os nossos stakeholders num contexto de grande incerteza e volatilidade”.

A máxima representante da empresa, referiu ainda que a empresa conseguiu, em 2023, dar passos “importantes para atingir a nossa ambição, reorganizando e expandindo o nosso portefólio. Na MC, chegámos a acordo para combinar a Druni e a Arenal, que, em conjunto com a Wells, darão origem ao maior retalhista em saúde, bem-estar e beleza da Península Ibérica.”

Em termos de resultados financeiros, Cláudia Azevedo refere que “a Sonae apresentou novamente resultados consolidados sólidos”, exibindo um volume de negócios que aumentou 9% em termos homólogos para 8,4 mil milhões de euros, “e o EBITDA atingiu um valor recorde de quase mil milhões de euros, o que representa um crescimento de 7% face a 2022, impulsionado pelo sólido desempenho operacional dos negócios e pelas mais-valias geradas nos movimentos de portefólio.”

Outros pontos a destacar:

  • Sonae prosseguiu no seu percurso com vista à neutralidade carbónica das suas operações em 2040, reduzindo as emissões de CO2 em 6%, e aumentou para 87% o nível de embalagens plásticas recicláveis de produtos de marca própria.
  • Apoio à comunidade continuou a aumentar e atingiu 33M€, com destaque para os donativos alimentares e para a promoção da educação na comunidade.
  • Políticas de diversidade permitiram que 40% das posições de liderança sejam já assumidas por mulheres.
  • Proposta de dividendo de 5,639 cêntimos de euro por ação, o que corresponde a um dividend yield de 6,2% e a um payout ratio de 25% do resultado direto consolidado.

Sonae adquire 80% da finlandesa Musti por 700 milhões de euros

Não perca informação: Subscreva as nossas Newsletters

Subscrever