Quantcast
Retalho

Novo estudo mostra como funciona o cérebro nos saldos

Um estudo recentemente divulgado e trabalhado pela publicação InfoRetail mostra como o cérebro ‘trabalha’ quanto em contexto promocional. Se é sabido que muitos consumidores aproveitam os saldos para fazer compras cirúrgicas, a grande questão é se estes estudam, antes destes períodos, as compras que vão fazer.

Segundo os dados agora divulgados, nas últimas baixas de preço de janeiro, os espanhóis gastaram em média 339,03 euros, divulga um estudo da IO Research, mas nem todas as compras foram ‘certeiras’.

 

De acordo com o explicado, baseando-se num estudo realizado pela Veepee,  apenas 13% dos espanhóis dizem antecipar o que querem comprar em promoção, sendo que a grande maioria, cerca de 49%, dizem não ter nada selecionado de antemão.

“E é que as promoções ou descontos realizados nas próprias lojas são as ações mais eficazes quando o objetivo é estimular a compra de um item de forma impulsiva, sendo a maior fraqueza para 65% dos pesquisados, segundo a Geoblink”, explica o InfoRetail, que ouviu um especialista sobre o tema.

 

Na opinião de Enric Soler Labajos, professor do Departamento de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade Aberta da Catalunha (UOC), uma das chaves para o sucesso é forma como as ações de marketing ‘brincam’ com o nosso cérebro para que ele se incline a comprar.

“O viés de ancoragem é uma distorção cognitiva segundo a qual tendemos a tomar decisões tendo em conta as primeiras informações disponíveis”, diz a psicóloga, acrescentando que “tem uma origem inconsciente, mas também pode ser manipulada de propósito para que os consumidores tomam a decisão de comprar quando têm pouca informação disponível.”

 

“Por esse motivo, muitos negócios preferem marcar preços muito mais altos, de modo a que poucas vendas dão uma margem muito alta, mas o foco é nas vendas em saldo, onde o preço reduzido é provavelmente o preço de seu valor justo e real”, explica-se.

“O simples fato de consumir já causa prazer. Não esqueçamos que as compras compulsivas são um ansiolítico muito eficaz, embora nada saudável, além de caro, para tratar sintomas de ansiedade”, finaliza o especialista consultado.