Quantcast
Economia

Mesmo com aumento de preços, portugueses querem ‘gastar mais’

Um novo estudo do Observador Cetelem, intitulado Consumo em tempos de inflação, mostra que 40% dos consumidores, apesar do aumento generalizado de preços, pretendem gastar mais face ao período homólogo.

De acordo com o explicado, 40% dos inquiridos disseram tencionar comprar calçado e roupa, gastando, pelo menos, 189 euros nesta categoria. Na lista de produtos desejados, no segundo encontram-se as férias/viagens com 27%, sendo esta a categoria que mais aumenta face a 2021 (8%).

 

“Para fechar o top 5 dos produtos/serviços que os portugueses tencionam adquirir, seguem-se os relacionados com saúde (14%), a aposta na formação (11%) e para finalizar 9% dos portugueses intentam adquirir um smartphone.”, explica-se em comunicado.

Preferência pelas lojas… físicas

 

Relativamente ao espaço físico ou digital onde pretendem fazer os seus gastos, os portugueses mostram clara preferência pelo físico, ou pelo ambiente misto. “Segundo os dados, as categorias que mais se destacam pela preferência dos consumidores em adquirir esse tipo de produtos/serviços nas lojas físicas são: saúde (74%), calçado e roupa (71%), produtos de eficiência energética (61%), obras/ remodelação (60%) e carros usados (59%)”.

Relativamente aos gastos médios, ao longo de 2022, os portugueses preveem gastar mais em carros usados (6.960 euros), em férias e viagens (1.082 euros), em móveis/decoração (780 euros), em formação (608 euros) e em smartphones (478 euros).