Retalho

Mercadona “alimenta” boa vizinhança

Mercadona “alimenta” boa vizinhança_5

Desde cedo que uma das principais preocupações da Mercadona – maior retalhista alimentar espanhol, com um volume de faturação de quase 23 mil milhões de euros, em 2017 – é o ambiente e, pode dizer-se, a “boa vizinhança”.

Isto está bem patente no projeto dos “Jardins Urbanos”, através do qual a companhia – em breve a inaugurar a sua primeira loja em Portugal – aposta na reabilitação das coberturas das lojas, convertendo-as em espaços verdes agradáveis, contribuindo, assim, para melhorar a imagem e qualidade de vida dos vizinhos.

Numa visita que a DISTRIBUIÇÃO HOJE efetuou, recentemente, a Madrid, foi possível ver um desses exemplos na loja Glorieta de Quevedo, na Calle Bravo Murillo, inaugurada em junho de 2017, espaço que antes de se transformar num supermercado Mercadona foi utilizado como cinema e ginásio.

Mercadona “alimenta” boa vizinhança_5Para a companhia, “é importante este cuidado em trazer a comunidade para a resolução dos problemas relacionados com a abertura das lojas”, salientou fonte da Mercadona, adiantando ainda que “é essencial para nós adaptar as lojas às necessidades locais e respetivas vizinhanças”.

Este projeto dos “Jardins Urbanos” faz parte de uma das várias políticas de sustentabilidade da Mercadona e que deu à companhia a “oportunidade de participar na vida do bairro e recuperar espaços singulares”.

Assim, nalgumas lojas, foram construídos muros e coberturas verdes que, além de melhorar a integração da loja na zona, ajudam ao isolamento térmico e acústico do edifício. Estas estruturas também atuam como barreira visual e estão a implementar-se nas cidades como forma de aumentar a quantidade de espaços verdes nos ambientes urbanos.

No caso da loja visitada, além de contribuir para regular a climatização do interior das instalações, adaptando-as às necessidades do supermercado, foi removido o telhado de fibrocimento para substituí-lo por coberturas ajardinadas, com a maquinaria a ser instalada em salas insonorizadas no interior do local.

Mercadona “alimenta” boa vizinhança

Hotel para insetos na loja Glorieta de Quevedo da Mercadona

Vantagens verdes
As coberturas verdes têm inúmeras vantagens, uma vez que as plantas, além de absorverem a poluição e reterem as partículas nocivas do ar, produzem oxigénio e contribuem para reduzir o efeito “ilha de calor urbano”. No caso da loja visitada na Calle Bravo Murillo, foi realizado um estudo para selecionar as plantas que melhor se adaptam ao terreno, ou melhor, ao telhado, tanto pela orientação como pelas características peculiares do espaço.

O investimento de cada “Jardim Urbano” ronda os 300 mil euros, assumido integralmente pela Mercadona, mas que, segundo a companhia, “faz parte do nosso ADN e está intrinsecamente entre as nossas preocupações e visões de bem-estar da  comunidade onde possuímos lojas”, revela a mesmo fonte da Mercadona.

A maioria das plantas utilizadas nos jardins são espécies autóctones com baixas necessidades hídricas, afim de contribuir para economizar o consumo de água, tendo a Mercadona realizado uma parceria com a Fundação Capacis, que se dedica à inserção social e laboral de pessoas com deficiência mental, para a manutenção das áreas verdes nos seus supermercados na Comunidade de Madrid.

A intenção da Mercadona é alargar esta iniciativa a mais lojas, desde que seja possível a colocação de jardins nas coberturas ou jardins verticais.

Sem jardins, mas com responsabilidade
Para Portugal, contudo, ainda não está pensada esta iniciativa, até porque, segundo nos avançou fonte da Mercadona, “os espaços até agora definidos, não possuem as características para implementação destes jardins urbanos”, admitindo, no entanto, que “nunca se sabe se, no futuro, isso não será possível, dependendo sempre das características do espaço”.

Mercadona “alimenta” boa vizinhança

Loja Mercadona do Canidelo

Certo é que as questões com a responsabilidade social são já uma realidade para a Mercadona em Portugal, sendo exemplo disso mesmo a loja do Canidelo onde a companhia espanhola, em colaboração com a Camara de Gaia, a Junta de Freguesia do Canidelo e o Sport Club, construíram novas instalações para que mais de 250 jovens possam dar seguimento à sua formação desportiva, constituindo este o primeiro projeto de Responsabilidade Social Empresarial da Mercadona no nosso país.

De recordar que estão previstas 10 lojas Mercadona em Portugal já no segundo semestre de 2019, com as primeiras aberturas a acontecerem nos distritos do Porto, Braga e Aveiro, num investimento de 25 milhões de euros aos quais se somarão mais 75 milhões de euros com as restantes aberturas.

Além disso, a companhia está, neste momento, a construir um bloco logístico na Póvoa de Varzim que contará com uma superfície total de 50 mil metros quadrados de armazéns de secos, frescos, refrigerados e congelados e que deverá abrir no segundo semestre de 2019, altura em se realização as primeiras aberturas de loja da insígnia em Portugal.