Retalho

BGC registam subida de 3,1% no primeiro trimestre de 2019

Os Bens de Grande Consumo (BGC) aumentaram 3,1%, em valor, neste primeiro trimestre de 2019 face a período homólogo do ano transato, atingindo perto de dois milhões de euros neste período, revela o mais recente Scantrends da Nielsen.

Na quadrissemana 09 a 12 de 2019 (período entre 25 de fevereiro e 24 de março), os Bens BGC) cresceram 1,3% sobre um período homólogo que já era muito dinâmico (+6,5%). Os dados da consultora revelam que as Marcas de Fabricante (MdF) evoluíram 2,5% versus um decréscimo das Marcas da Distribuição – MDD+PP (-1,2%).

Também no acumulado do 1.º trimestre registou-se um dinamismo bastante superior das MdF (+4,4%) comparativamente com as MDD+PP (+0,6%).

Pela primeira vez durante o último ano, a Alimentação apresentou uma variação negativa nesta última quadrissemana (-2,5%), embora sobre um período homólogo que estava excecionalmente dinâmico (+8,7%). No acumulado do primeiro trimestre, a categoria cresceu 0,9%, dinamizado pelas MdF (+1,9% versus -0,5% das MDD+PP).

As Bebidas foram a categoria mais dinâmica tanto da quadrissemana (+11%), como do trimestre (+9,6%). Em ambos os períodos, as MdF e as MDD+PP cresceram a ritmos muito semelhantes. Neste trimestre, especialmente nos meses de fevereiro e março, registaram-se temperaturas superiores às verificadas em 2018, contribuindo para um aumento significativo quer nas Bebidas Alcoólicas, quer nas Não Alcoólicas.

Higiene do Lar apresentou um dinamismo muito positivo nesta quadrissemana, especialmente no que diz respeito às MdF, que cresceram 14,1%, versus 2,6% nas MDD+PP. No total, a categoria alcançou em março um aumento de 10,6%, o mais elevado do último ano.

No primeiro trimestre de 2019, registou-se um dinamismo de 7% nesta categoria, com as MdF (+8,7%) a crescer acima das MDD+PP (+3%).

Nesta última quadrissemana, Higiene Pessoal aumentou 4,6%, motivada especialmente pelas Marcas de Fabricante (+6,1%), enquanto as Marcas da Distribuição mantiveram-se relativamente estáveis (+0,3%). No acumulado do primeiro trimestre a tendência foi semelhante, com um aumento de 5,2% das MdF e de 1,3% das MDD+PP, totalizando um dinamismo de 4,2%.

Quanto aos canais de venda, os dados da Nielsen mostram que na quadrissemana em análise os Grandes Supers lideram, com 34,7%, seguidos dos Pequenos Supers, com 32,1%. Já os Hipers representaram, no período em análise, 25% do total do consumo, com os Tradicionais a não irem além dos 8,2%.

Analisando os canais de consumo numa base Year-to-Date (YTD), verifica-se que os Grandes Supers atingiram uma quota de 34,3%, seguidos pelos Pequenos Supers (32,2%), Hipers (25,1%) e Tradicionais com 8,3%.

Numa comparação YTD 19 vs YTD 18, a Nielsen aponta para um crescimento, em valor, versus período homólogo, de 8,6% para os Grandes Supers, enquanto os Pequenos Supers decrescem 0,8%. Tradicionais e Hipers marcam evoluções positivas, com 4,9% e 0,6%, respetivamente.