Quantcast
Produção

Gonçalo Santos Andrade reeleito presidente da Portugal Fresh

Gonçalo Santos Andrade - Portugal Fresh

Gonçalo Santos Andrade foi reeleito presidente da Portugal Fresh, Associação para a Promoção das Frutas, Legumes e Flores, para o triénio 2024-2026. A direção da Portugal Fresh tem como vice-presidentes João Manuel Alves, da Lusopera, Luís Mesquita Dias, da Summer Berry, Tiago Malhou da Costa, da Nogam, e Vítor Araújo, da Kiwigreensum. Como suplentes estão Carlos Marques, da Hortapronta, Frederico Pinheiro Chagas, da Viplant, e Pedro Madeira, da Frusoal.

A mesa da Assembleia Geral é presidida por Domingos dos Santos, da Frutoeste, e Gilberto Franco, da Extrafrutas, assume a vice-presidência. Hélio Ferreira, da Granfer, é vogal e Sofia Horgan, da Beira Baga, suplente.

 

No Conselho Fiscal estão Aristides Sécio, da Coopval (presidente), Rodrigo Vinagre, da Torriba (vogal), Gonçalo Pereira, da VGT Portugal (vogal) e Garry Mercer, da Sudoberry (suplente).

O valor das exportações do sector continua a crescer e, entre janeiro e outubro, registou um aumento de 11,2 % em valor e um decréscimo de 5,2% em quantidade. O valor por quilo aumentou 17,3% e a direção da Portugal Fresh prevê que as exportações alcancem os 2.200 Milhões de euros em 2023. “Temos neste momento 8 mil milhões de consumidores e, em 2030, teremos 8,5 mil milhões. Há que produzir mais e depender menos de importações”, defende a lista eleita.

 

Entre as áreas estratégicas definidas pela direção, estão as ações de promoção internacional e o reforço da ligação estreita à AICEP e embaixadas. A diversificação de mercados, como a China, a Índia e a Indonésia, será outra das prioridades e a Portugal Fresh fará pressão junto do Governo para a abertura de mais mercados.

A criação de uma interprofissional para o setor (organização que junta os agentes da produção, da transformação e/ou da comercialização) mantém-se como grande objetivo.

 

A direção da Portugal Fresh irá solicitar reuniões com os líderes dos partidos políticos que poderão formar Governo em 2024. No início do ano, prevê reunir com os principais partidos para partilhar os desafios do sector e a importância de um Ministério da Agricultura competente, com peso político e que execute programas e projetos para o desenvolvimento do sector agroalimentar. Uma área fundamental a abordar nesses encontros é a dos recursos hídricos.

Exportações de frutas e legumes superam os mil milhões de euros no 1º semestre

 

Não perca informação: Subscreva as nossas Newsletters

Subscrever