Retalho

Retalho global atingirá vendas de 22,5 biliões de euros em 2019

Retalho global atingirá vendas de 22,5 biliões de euros em 2019

De acordo com uma análise da eMarketer, o mercado global de retalho atingirá 25,038 biliões de dólares (cerca de 22,5 biliões de euros) em 2019, correspondendo a um aumento de 4,5%, ou seja, uma ligeira aceleração no crescimento em relação ao ano anterior. Contudo, avança a consultora, estes números representam um declínio acentuado em relação aos cinco anos anteriores, quando as vendas no retalho global cresceram entre 5,7% e 7,5% a cada ano.

Esta desaceleração nos gastos dos consumidores nos últimos dois anos reflete a crescente incerteza económica e um ambiente económico enfraquecedor em muitos cantos do mundo. A economia da China, que vem num crescendo na maior parte da última década, viu a evolução do PIB estabilizar consideravelmente. Já o crescimento do PIB na Europa também parou em várias frentes, e mesmo uma economia de consumo madura como a dos EUA parece já ter vivido melhores dias.

Comércio eletrónico a dois dígitos
No meio deste cenário de declínio apontado pela eMarketer, a consultora estima que o comércio eletrónico global aumente 20,7% em 2019, para 3,535 biliões de dólares (aproximadamente 3,2 biliões de euros). Apesar da taxa de crescimento obviamente forte, os números indicam que o ano de 2019 experimentará um declínio em relação aos dois anos anteriores, quando o comércio eletrónico cresceu 28%, em 2017, e 22,9%, em 2018. Até 2021, as estimavas apontam para que o comércio eletrónico global alcance 5 biliões de dólares (cerca de 4,5 biliões de euros), embora as taxas de crescimento caiam abaixo dos 20 % a partir de 2020.

Mesmo com o arrefecimento da economia de consumo da China, a região Ásia-Pacífico ainda liderará a taxa de crescimento do comércio eletrónico em 2019. “Esperamos que a região registe um crescimento de 25%, para 2,271 biliões de dólares (ligeiramente acima dos 2 biliões de euros), representando 64,3% dos gastos globais com comércio eletrónico”, avança a eMarketer.

Já para a América Latina e Médio Oriente/África as taxas de crescimento rondarão os 21%, superando ligeiramente a média global, enquanto para a América do Norte se aponte uma evolução de 14,5%, e a Europa Ocidental um incremento de 10,2%.

Destaque asiático
Seis dos 10 países de e-commerce de crescimento mais rápido, em 2019, vêm da região da Ásia-Pacífico, liderados pela Índia e pelas Filipinas, com crescimentos previsíveis acima dos 30% e completados pela China, Malásia, Indonésia e Coreia do Sul. A América Latina possui o mercado global de e-commerce de maior crescimento: México com 35%. As regiões mais maduras para comércio eletrónico – como América do Norte (Canadá, crescimento de 21,1%) e Europa (Rússia, crescimento de 18,7%) – ocuparam restantes lugares do top 10.

Em 2019, o principal mercado mundial de comércio eletrónico será a China, com um valor de 1,935 biliões de dólares (cerca de 1,7 biliões de euros) em vendas – três vezes maior do que os Estados Unidos, com a segunda posição, com 587 mil milhões de dólares (aproximadamente 525 mil milhões de euros).

“É difícil entender, mas a China só recentemente ultrapassou os EUA nas vendas de comércio eletrónico – em 2013 – pela primeira vez”, salientam os responsáveis pela análise. Os números mostram que, só a China representa 54,7% do mercado global de comércio eletrónico, uma participação quase duas vezes maior que os primeiros cinco países juntos.

Já a Europa Ocidental possui três dos seis principais mercados de comércio eletrónico, liderados pelo Reino Unido (127 mil milhões de euros), Alemanha (74 mil milhões de euros) e França (63 mil milhões de euros), mas como mercados mais maduros, cada um cresce a taxas anuais bem abaixo da taxa de crescimento global do comércio eletrónico.