Economia

Comissão Europeia prevê crescimento incerto devido a fatores externos

Comissão Europeia prevê crescimento incerto devido a fatores externos

A economia europeia deverá crescer pelo sétimo ano consecutivo em 2019, assistindo-se a uma expansão económica em todos os Estados-Membros. O crescimento na área do euro foi mais robusto do que esperado no primeiro trimestre do ano, devido a uma série de fatores temporários, como o inverno ameno e a retoma da venda de veículos automóveis. Este crescimento beneficiou também de certas medidas da política orçamental que contribuíram para aumentar o rendimento disponível das famílias em vários Estados-Membros.

No entanto, as perspetivas a curto prazo para a economia europeia são incertas devido a fatores externos, incluindo a grande incerteza política e as tensões comerciais à escala mundial. Estes fatores têm continuado a afetar a confiança do setor da indústria transformadora, que é o setor com maior exposição ao comércio internacional, devendo assim enfraquecer as perspetivas de crescimento para o resto do ano.

Em consequência, prevê-se que o crescimento do PIB da área do euro em 2019 se mantenha inalterado e atinja 1,2%, mas as previsões para 2020 foram objeto de uma ligeira revisão em baixa para 1,4%, atendendo ao ritmo mais moderado previsto para o resto do ano (previsão da primavera: 1,5%). O PIB previsto para a UE mantém-se inalterado, devendo atingir 1,4% em 2019 e 1,6% em 2020.

O vice-presidente Valdis Dombrovskis, responsável pelo Euro e Diálogo Social, bem como pela Estabilidade Financeira, Serviços Financeiros e União dos Mercados de Capitais, afirmou: “A economia deverá continuar a crescer em todos os países da UE, tanto este ano como no próximo, muito embora se deva assistir a um crescimento robusto na Europa Central e Oriental e, em contrapartida, à sua desaceleração na Alemanha e na Itália. A resiliência das nossas economias está a ser posta à prova pela persistência das deficiências no setor da indústria transformadora que se têm feito sentir na sequência das tensões comerciais e da incerteza política. A nível interno, um Brexit sem acordo continua a ser uma importante fonte de risco”.

Já Pierre Moscovici, Comissário responsável pelos Assuntos Económicos e Financeiros, Fiscalidade e União Aduaneira, referiu, por sua vez, que “a economia europeia continua a expandir-se num contexto mundial difícil. Todos os países da UE deverão continuar a crescer tanto em 2019 como em 2020, uma vez que o dinamismo do mercado de trabalho apoia a procura. Atendendo aos inúmeros riscos para as perspetivas futuras, devemos redobrar esforços para incrementar a resiliência das nossas economias, bem como da área do euro no seu conjunto”.

Crescimento na UE impulsionado pela procura interna
Apesar de o crescimento no início deste ano ter beneficiado de uma série de fatores temporários, as perspetivas para o resto do ano são mais ténues, atendendo às perspetivas menos favoráveis de uma retoma rápida do setor da indústria transformadora e do comércio à escala mundial. Prevê-se um crescimento mais elevado do PIB em 2020, devido em parte a um maior número de dias úteis. A procura interna, em especial o consumo das famílias, continua a impulsionar o crescimento económico na Europa, com o apoio do mercado de trabalho cujo dinamismo persiste. O PIB deverá crescer em todos os Estados-Membros da UE este ano e no próximo, mas o crescimento será bastante mais robusto em alguns países da UE (por exemplo, Europa Central e Oriental, Malta e Irlanda) do que noutros (nomeadamente, Itália e Alemanha).

Prevê-se uma menor inflação com a queda dos preços do petróleo
As previsões para a inflação nominal na área do euro e na UE foram reduzidas em 0,1 pontos percentuais este ano e no próximo, principalmente devido à queda dos preços do petróleo e a perspetivas económicas ligeiramente mais fracas. Prevê-se atualmente que a inflação (índice harmonizado de preços no consumidor) na área do euro atinja, em média, 1,3%, tanto em 2019 como em 2020 (previsões da primavera: 1,4% em 2019 e 2020), ao passo que na UE deverá registar, em média, 1,5% em 2019 e 1,6% em 2020 (previsões da primavera: 1,6% em 2019 e 1,7% em 2020).

Maiores riscos de revisão em baixa
Os riscos para as perspetivas económicas da economia mundial permanecem extremamente interligados, sendo sobretudo de índole negativa. Um confronto económico alargado entre os Estados Unidos e a China, juntamente com uma maior incerteza quanto à política comercial norte-americana, poderia prolongar os efeitos do atual abrandamento que se faz sentir a nível do comércio e do setor da indústria transformadora à escala mundial e afetar outras regiões e setores. Isto poderá ter repercussões negativas na economia mundial, nomeadamente devido a instabilidade nos mercados financeiros. As tensões no Médio Oriente também aumentam o potencial de aumentos significativos dos preços do petróleo. A nível interno, o Brexit continua a ser uma importante fonte de incerteza. Por último, prevalecem também riscos significativos a respeito dos fatores de crescimento de curto prazo e da dinâmica económica da área do euro. A debilidade do setor da indústria transformadora, se perdurar, e a menor confiança das empresas, podem vir a repercutir-se noutros setores e afetar as condições do mercado de trabalho, o consumo privado e, em última análise, o crescimento.

Em relação ao Reino Unido, os pressupostos são meramente técnicos
Atendendo ao processo de saída do Reino Unido da UE, as projeções para 2019 e 2020 assentam uma vez mais em pressupostos meramente técnicos quanto à manutenção do status quo das relações comerciais entre a UE-27 e o Reino Unido. Trata-se apenas para efeitos de previsão, em nada afetando as futuras negociações entre a UE e o Reino Unido.