Tecnologia

Cinco tendências tecnológicas emergentes que vão garantir o sucesso das empresas

Retalhistas irão gastar mais de 10 mil milhões de euros em IA até 2023

A Accenture acaba de publicar o ‘Accenture Technology Vision’, um relatório anual que antevê as tendências tecnológicas que irão redefinir os negócios nos próximos três anos. A empresa diz que o mundo empresarial está num ponto de viragem e que há cinco tendências tecnológicas emergentes que as organizações devem considerar para serem bem-sucedidas.

De acordo com o estudo, quase quatro em cada cinco (79%) das mais de 6600 empresas e executivos de IT de todo o mundo inquiridos acreditam que as tecnologias digitais – especificamente social, mobile, analytics e cloud – passaram da fase da adoção para se tornarem parte da tecnologia de base nas organizações.

Paul Daugherty, Chief Technology & Innovation Officer da Accenture, sublinha que “um mundo pós-digital não significa que o digital acabou”. “Nesta era, simplesmente ‘fazer digital’ não é suficiente. O nosso relatório ‘Technology Vision’ destaca a forma como as organizações devem usar as novas tecnologias para inovar os modelos de negócio e personalizar as experiências para clientes. Ao mesmo tempo, os líderes devem reconhecer que valores humanos, como a confiança e responsabilidade, não são apenas buzzwords, mas fatores-chave para o sucesso”, diz.

A empresa identifica cinco tendências tecnológicas emergentes que as empresas devem considerar para serem bem-sucedidas:

  • Poder DARQ: Tecnologia como Distributed ledgers, Inteligência Artificial, Realidade Aumentada e Computação Quântica (DARQ) são catalisadores de mudança, oferecendo capacidades extraordinárias e permitindo aos negócios reconfigurar por completo o seu setor de atividade. Quando lhes foi pedido que classificassem qual destas tecnologias terá um maior impacto na sua organização nos próximos três anos, 41% dos executivos colocou a IA em primeiro lugar – mais do dobro de qualquer outra tecnologia DARQ.
  • Get to Know Me: As interações baseadas em tecnologia estão a criar uma identidade tecnológica para cada consumidor. Todo este novo conhecimento será crucial para compreender a próxima geração de consumidores e oferecer relações ricas, individualizadas e baseadas em experiência. Mais de quatro em cinco executivos (83%) afirmou que as demografias digitais proporcionam às suas organizações uma nova forma de identificar oportunidades de mercado para as necessidades não satisfeitas dos consumidores.
  • Human + Worker: À medida que as equipas de trabalho se tornam “human+”, cada colaborador recebe um novo e crescente conjunto de capacidades alavancadas pela tecnologia e as organizações devem apoiar esta nova forma de trabalhar na era pós-digital. Mais de dois terços (71%) dos executivos acredita que os seus colaboradores são mais maduros a nível digital do que a sua organização e têm a expectativa que a organização os acompanhe.
  • Secure Us to Secure Me: Tendo em conta que os negócios dependem de interligações, essas ligações aumentam a sua exposição a riscos. As organizações líderes nestes ecossistemas interligados reconhecem que a dedicação ao tema da cibersegurança deverá estar em paridade com os esforços desenvolvidos para entregar os melhores produtos, serviços e experiências. Apenas 29% dos executivos afirma saber que os seus parceiros estão a trabalhar de forma diligente para ser compatível e resiliente no que diz respeito à segurança.
  • MyMarkets: A tecnologia está a criar um mundo de experiências extremamente personalizadas e on-demand, e as empresas devem reinventar-se para encontrar e capturar essas oportunidades. Isto significa olhar para cada oportunidade como um mercado individual – um mercado momentâneo. Seis em sete executivos (85%) afirma que a integração de uma entrega personalizada e em tempo real é a próxima grande vantagem competitiva.