Retalho

Vendas no retalho nacional voltam a cair em maio

retalho_carrinho_compras

O Índice de Volume de Negócios no Comércio a Retalho registou uma variação homóloga negativa de 13,1% em maio, (redução de 22,2% no mês anterior), revelam os mais recentes dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), recuperando, ainda assim, 9,1 pontos percentuais (p.p.) comparativamente com abril.

A evolução do índice agregado teve subjacente os comportamentos dos dois grandes agrupamentos, com os Produtos Não Alimentares a registarem uma redução de 24,4% (-35,5% em abril); e os Produtos Alimentares a aumentarem 1,3% em maio (diminuição de 4,8% no mês anterior).

Uma análise mais fina dos resultados mostra que as vendas de combustíveis para veículos a motor, de têxteis, vestuário, calçado e artigos de couro e de bens para o lar e similares, apresentaram as maiores recuperações da taxa de variação homóloga (19,5 p.p., 17,3 p.p. e 13 p.p., respetivamente), que se fixaram em -20,5% -69,7% e -4,5%, pela mesma ordem. As vendas de Produtos farmacêuticos, médicos, cosméticos e de higiene apresentaram agravamento da variação homóloga face ao mês anterior.

A variação em cadeia do índice agregado foi 13,1% (-17,4% em abril). O agrupamento de Produtos Alimentares passou de uma redução de 13,4% em abril para um aumento de 8,9% em maio. Os Produtos não Alimentares aumentaram 17,9% (redução de 21,4% em abril).

Em termos nominais, o índice agregado do INE passou de uma taxa de variação homóloga de -23,6% em abril para -16,3% em maio. Os agrupamentos de Produtos Alimentares e de Produtos não Alimentares registaram diminuições homólogas de 0,2% e 29,1%, respetivamente (variações de -4,9% e de -38,3% em abril, pela mesma ordem).