Quantcast
Retalho

Vendas no retalho europeu voltam a cair em julho

Vendas_Retalho_UE_julho_2020

As vendas no retalho europeu voltaram a cair no mês de julho, quando comparadas com o mês anterior. Segundo o Eurostat, o retalho na UE27 caiu 0,8% face ao mês anterior de junho, enquanto na zona euro a quebra foi mais significativa (-1,3%).

Estes resultados vêm em contraciclo, já que no mês de junho, as vendas tinham registado números positivos face ao mês de maio de 2020. Ou seja, as vendas a retalho tinham crescido 5,1% na UE27 e 5,3% na zona euro.

Na comparação mensal (julho 2020 vs junho 2020), na UE27 os produtos não alimentares registaram uma quebra de 2,9%, enquanto os produtos alimentares e bebidas foi possível registar um aumento de 0,1%. Já na zona euro, a quebra foi de 2,9% para a venda de produtos não alimentares, mantendo-se os produtos alimentares estáveis.

Portugal aparece como líder, juntamente, com a Roménia), no que diz respeito à evolução das vendas no mês de julho, com uma subida de 3,9%, seguido de Malta (+3,2%). Já do lado das quebras, Bélgica (-5,1%), Finlândia (-2%) e Estónia (-1,5%) foram os países que maiores descidas registaram.

Ao contrário da comparação mensal, quando analisados os números do mês de julho de 2020 com o mesmo mês, mas de 2019, verifica-se que a performance do retalho na UE27 e zona euro foi positiva, tendo crescido, como já referido, 5,1% e 5,3%, respetivamente.

Na zona euro, os dados do Eurostat mostram que os produtos alimentares e bebidas cresceram 1,5% face a período homólogo de 2019, enquanto os produtos não alimentares viram as vendas aumentares 0,5%.

Na UE27, foram os produtos não alimentares a registar a maior subida, com 1,5%. Já os produtos alimentares e bebidas cresceram 1,1%, quando comparado com as vendas de há um ano.

Entre os Estados-Membros que melhores performances registaram, destaque para a Irlanda (+9,1%), Lituânia (+6,8%) e Holanda (+6%).

No que toca ao outro lado da balança, ou seja, as descidas, destaque para a Bulgária (-17,5%), Malta (-8,1%) e Luxemburgo (-6,1%). Aqui, Portugal aparece com o registo de uma descida de 3,6% face ao mês de julho de 2019.