Quantcast
Produção

Vendas da Coca-Cola European Partners caem 4% no 1.º trimestre

Coca-Cola_European_Partners

As vendas da Coca-Cola European Partners (CCIP) caíram 4% face a período homólogo de 2019, totalizando 2.478 milhões de euros, registando igual quebra em volume.

A quebra no consumo, muito devido à situação vivida pelo canal Horeca é uma das razões apontadas, já que a pandemia de COVID-19 levou ao encerramento de restaurantes, bares, cafés e muitos hotéis nos mercados explorados pela CCEP.

A região da Ibéria (Espanha, Portugal e Andorra) foi das que caiu menos no balanço da CCEP, registou um decréscimo de 1,5% nas vendas, comparando a igual período de 2019, totalizando 529 milhões de euros.

A companhia refere, em comunicado, que “o crescimento sólido do volume em janeiro e fevereiro foi contrariado com um declínio em março devido ao impacto da COVID-19 no canal de consumo imediato/hotelaria” Dentro das quebras, a CCEP avança que “Coca-Cola, Monster, Aquarius & Appletizer mantiveram um bom desempenho”.

Relativamente a outros mercados/regiões, refira-se que a maior quebra foi registada no Reino Unido, bem como França e Mónaco, ambos com descidas de 6,5%. Já a Europa do Norte (Bélgica, Luxemburgo, Holanda, Noruega, Suécia e Islândia) caíram 4%, enquanto a Alemanha registou uma quebra de 2% face ao primeiro trimestre de 2019.

Damian Gammell, CEO da CCEP, admite que “esta crise afetou todas as comunidades onde operamos”. Com a prioridade a ir para “o bem-estar das nossas pessoas”, Gammell salienta que a situação está a ter “grande impacto na forma como as pessoas consomem os nossos produtos, em particular no canal de consumo imediato/hotelaria. Estamos a trabalhar em estreita colaboração com os nossos clientes que ainda conseguem manter a sua atividade, dando-lhes acesso às marcas e embalagens de que necessitam neste momento, e a concentrar os nossos esforços nos supermercados e no crescimento do negócio online”.

Quanto ao futuro pós-crise COVID, o CEO da CCEP diz estar “confiante”. “Temos bases fortes construídas sobre grandes marcas, canais de distribuição, relações com os clientes e, claro, grandes pessoas. Enquanto tomamos medidas para responder à crise imediata e proporcionar alívio às nossas comunidades, estamos também a preparar, primeiro, a nossa recuperação e, depois, o crescimento sustentado. Vamos acelerar o nosso planeamento com base nos conhecimentos e experiência global dos nossos parceiros de marca, como a The Coca-Cola Company”.

Gammell termina, afirmando que, “apesar da incerteza que nos rodeia atualmente, a nossa confiança no futuro do nosso negócio está a levar-nos a tomar as medidas corretas para proteger o nosso desempenho, manter/conservar capitais e criar as bases para a recuperação, tudo isto sustentado por um balanço sólido. Estamos empenhados em ajudar a sociedade na sua reconstrução e recuperação, enquanto criamos valor sustentável e um melhor futuro para os nossos colaboradores e para o planeta.