Quantcast
Retalho

Supermercados espanhóis limitam venda de gelo. Em Portugal, racionamento é afastado

Supermercados espanhóis limitam venda de gelo. Em Portugal, racionamento é afastado

Vários retalhistas em Espanha estão a limitar o número de embalagens de gelo que vendem por cliente, tendo em conta a escassez do produto num ambiente de alta procura pelo calor e menor produção provocada pelos preços da eletricidade. Em Portugal, segundo a agência Lusa, o racionamento está afastado para já.

A situação em Espanha

As retalhistas Mercadona, Alcampo e Consum estão a limitar a venda de gelo nos seus supermercados, avança o site InfoRetail.

 

A Mercadona limitou esta semana a venda de sacos de gelo a um máximo de cinco por cliente. “Procedemos à limitação da venda de gelo devido ao aumento da procura devido às altas temperaturas, o que está a causar açambarcamentos e significa que temos circunstâncias objetivas para o fazer”, dizem fontes da empresa ao InfoRetail.

Por sua vez, a Alcampo implementou a medida ontem, dia 4 de agosto. “Tendo em conta os problemas de abastecimento que estamos a ter, começámos a comunicar a todos os nossos clientes, através de cartazes localizados nas lojas, que limitamos a venda a dois blocos de gelo por pessoa por dia”, refere a empresa.

 

Já a Consum iniciou o racionamento no dia 28 de julho, limitando a venda de gelo – tanto em cubo como formato picado – a duas unidades por pessoa por dia.

“Temos de garantir o fornecimento de todos os nossos clientes face à escassez de fornecimento de produtos que estamos a sofrer”, dizem fontes da Consum, empresa que está confiante de que a normalidade “vai recuperar o mais rapidamente possível”.

 

Os outros retalhistas relataram normalidade, salvo casos excecionais.

Portugal vai racionar?

A Auchan Retail Portugal confirmou, à agência Lusa, que houve um “aumento significativo da venda de gelo” este ano e que o seu fornecedor manifestou “alguma dificuldade” de produção e entrega, mas afastou para já medidas de racionamento.

 

Já o Pingo Doce não tem prevista “qualquer restrição” à venda de gelo nas suas lojas e o Intermarché desconhece qualquer “racionamento de produtos” no mercado português.

Fonte oficial do Intermarché salientou que o “grupo Os Mosqueteiros, incluindo a sua insígnia de comércio alimentar Intermarché, é composto por chefes de empresa independentes que gerem as suas lojas de acordo com o contexto das regiões onde estão inseridos”.

O Continente revelou que a procura por gelo em julho aumentou 93%, admitindo a possibilidade de existirem “ruturas pontuais”, mas afasta cenário de racionamento ou subida do preço.

O Lidl Portugal também confirmou o aumento do consumo, mas afasta o cenário de racionamento.