Produção

Sistemas alimentares mundiais dependem da biodiversidade

Biodiversidade

“Tudo o que comemos é produzido de maneira a implicar alguma transformação do meio ambiente, o que significa que devemos ter discussões cuidadosas sobre o tipo e a escala de transformações que estamos preparados para aceitar”. Esta foi uma das principais conclusões deixada pelo diretor-geral da FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura), Qu Dongyu, na abertura dos trabalhos com negociadores no quadro da Convenção sobre Diversidade Biológica (CBD) que a FAO realizou sobre biodiversidade.

A agricultura e os sistemas alimentares estão “no centro do conceito de desenvolvimento sustentável” e são centrais para as deliberações sobre o quadro da Biodiversidade Pós-2020, referiu o chinês que lidera a FAO desde agosto de 2019.

“Eu sei que o mundo está ansiosamente à espera por progressos demonstráveis em direção a uma estrutura global clara, acionável e transformadora sobre biodiversidade”, disse, por sua vez, Elizabeth Maruma Mrema, secretária executiva interina da CDB.

Agendada para outubro de 2020 está a Conferência de Biodiversidade da ONU em Kunming, China, que definirá o rumo para os próximos 10 anos e além.

“A biodiversidade é fundamental para os ecossistemas, para os seres humanos e é a base da diversidade alimentar“, disse Qu, observando o enorme desafio que será o de alimentar mais de 9 mil milhões de pessoas em 2050, de maneira a garantir dietas saudáveis e evitar a exploração excessiva dos recursos naturais.