Quantcast
Sustentabilidade

Recursos marinhos podem fornecer 6 vezes mais alimentos do que fornecem atualmente

Recursos marinhos podem fornecer 6 vezes mais alimentos do que fornecem atualmente

Os recursos dos oceanos podem fornecer seis vezes mais alimentos se forem geridos de forma responsável, revela um relatório apresentado, numa conferência da União Europeia, em Roma. Este é o primeiro de uma série de 16 Blue Papers: “The Future of Food from the Sea”, criados pelo High Level Panel para a sustentabilidade da economia dos oceanos.

A principal conclusão do relatório é que atividades como a pesca e aquicultura marinhas, geridas de forma sustentável, poderão fornecer seis vezes mais alimentos do que os que são fornecidos atualmente e isso representa mais de 2/3 das necessidades proteicas necessárias no futuro a nível global. O recurso a estes produtos representa, também, uma pegada de carbono muito menor, comparativamente com outro tipo de alimentos e ajudará a restaurar a saúde dos ecossistemas dos oceanos. A aquicultura marinha sustentável, ou maricultura, é destacada como a área com maior potencial de crescimento.

São cada vez mais as evidências científicas que destacam a necessidade de produzir mais alimentos provenientes dos oceanos, como forma de enfrentar a crise climática e garantir no futuro a segurança alimentar, o que vai ao encontro das tendências dos consumidores.

Os avanços na produção de produtos provenientes dos oceanos apenas podem ser alcançados com medidas para combater as ameaças como a saúde dos oceanos, as mudanças climáticas e o excesso de pesca.

Os estudos demonstram que apenas metade da população mundial se alimenta com as quantidades recomendadas de produtos provenientes do mar, e o seu consumo diminuiu em muitos mercados desenvolvidos.

O relatório confirmou, ainda, a importância dos sistemas de produção dos alimentos provenientes do oceano, no futuro da alimentação e da segurança nutricional. Os produtos provenientes do mar fornecem essencialmente vitaminas, minerais, ácidos gordos ómega 3 e outros nutrientes não encontrados em alimentos de origem vegetal ou outras proteínas.

A produção de animais no mar ainda não atingiu a dimensão dos animais terrestres, o que significa que o potencial de crescimento é enorme.