Quantcast
Retalho

Portugal acompanha quedas nas vendas do europeu retalho

APED_Retalho

O setor do retalho português acompanhou, segundo dados do Eurostat, a quebra verificada no mercado da zona euro e na UE27, no passado mês de novembro de 2020. Se no nosso país, a quebra foi de 3,3% numa comparação mensal com o mês anterior de outubro (mês em que se registou um crescimento de 1,7% face ao mês de setembro), na análise anual (novembro 2020 vs novembro 2019) Portugal caiu 4,9%, depois de no mês de outubro ter descido 0,4%.

A nível europeu, o Eurostat mostra que na comparação mensal (novembro 2020 vs outubro 2020), as vendas na zona euro desceram 6,1%, enquanto na UE27 essa descida foi de 5%. De referir que no mês de outubro de 2020, as quebras, em ambas as regiões, foram de 1,4%.

 

A grande quebra neste mês de novembro de 2020 na zona euro, quando comparado com o mês anterior de outubro, registou-se nos combustíveis que caíram 10,6%, enquanto os produtos não alimentares desceram 8,9%, emboras as vendas por correio e Internet tenham estado em contra-ciclo, com uma subida de 1,8%. As vendas de produtos alimentares e bebidas também desceram, embora mais ligeiramente, situando-se essa quebra nos 1,7%.

Já na UE27, as quebras foram de 7,7% nos combustíveis, 7,3% nos produtos não alimentares (+2,3% nas vendas por correio e Internet) e 1,5% nos produtos alimentares.

Entre os países com maiores descidas, destaque para a França (-18%), Bélgica (-15,9%) e Áustria (-9,9%). Já nas subidas, Holanda (+2,6%), Croácia (+2,5%) e Alemanha (+1,9%) são os países que lideraram.

Na comparação anual (novembro 2020 vs novembro 2019), a realidade não foi muito diferente. Se na zona euro, os combustíveis caíram 18%, os produtos não alimentares desceram 5,2%, embora aqui, as vendas por correio e Internet tenham registado uma subida de 32%. Comportamento positivo tiveram, também, os produtos alimentares e bebidas que subiram as suas vendas em 2,7% face ao mesmo mês de 2019.

Na UE27, e comparando os dois mesmos períodos, os combustíveis decresceram 15,3% e os produtos alimentares 3,3%. Tal como na zona euro, as vendas por correio e Internet foram as que se destacaram, registando uma subida de 32,9%. As vendas dos produtos alimentares e bebidas também cresceram em novembro de 2020 face ao mesmo mês de 20219, indicando o Eurostat mais 2,4%.

Entre os Estados-Membros com pior performance, destaque para a França (-15,7%), Eslovénia (-14,2%) e Bélgica (-11,7%). Já no campo oposto, ou seja, das subidas, a Alemanha liderou com um crescimento de 8,8%, seguida da Dinamarca (+8,7%) e Holanda (+6,6%).

Com os diversos confinamentos em vigor e a começar nalguns países – é quase certo um novo confinamento geral para Portugal a partir da próxima 5.ª feira, dia 14 de janeiro – os analistas antecipam comportamentos mais graves para o início de 2021, depois de, possivelmente, no mês de dezembro se registar alguma melhoria devido à quadra natalícia.