Quantcast
Economia

PIB nacional cai 16,3% no 2.º trimestre

PIB_2T_2020

O Produto Interno Bruto (PIB) nacional registou uma forte contração em termos reais no 2.º trimestre de 2020, tendo diminuído 16,3% em termos homólogos, após a redução de 2,3% no trimestre anterior, indicam os números do Instituto Nacional de Estatística (INE).

Este resultado é explicado em larga medida pelo contributo negativo (-11,9 pontos percentuais) da procura interna para a variação homóloga do PIB, consideravelmente mais acentuado que o observado no trimestre anterior (-1,2 pontos percentuais), refletindo a expressiva contração do consumo privado e do investimento. O contributo da procura externa líquida foi mais negativo no 2.º trimestre (-4,4 pontos percentuais), traduzindo a diminuição mais significativa das exportações de bens e serviços que a observada nas importações de bens e serviços, devido em grande medida à quase interrupção do turismo de não residentes.

No 2.º trimestre, a procura externa líquida registou um contributo de -4,4 p.p. para a variação homóloga do PIB (-1,1 p.p. no 1.º trimestre), verificando-se uma diminuição em volume mais intensa das exportações de bens e serviços (-39,6%) que das importações de bens e serviços (-29,7%). Esta diferença de comportamentos é sobretudo consequência da forte contração da atividade turística na evolução das exportações de serviços.

Comparativamente com o 1.º trimestre de 2020, o PIB diminuiu 13,9% (variação em cadeia de -3,8% no trimestre anterior). Este resultado é também explicado principalmente pelo contributo negativo (-10,7 pontos percentuais) da procura interna para a variação em cadeia do PIB, verificando-se também um maior contributo negativo da procura externa líquida (-3,2 pontos percentuais).

O contributo da procura externa líquida também foi mais negativo (passando de -1.6 p.p. para -3,2 p.p.), tendo as exportações totais em volume registado uma variação em cadeia de -36,2% (taxa de -7,3% no trimestre anterior), e as importações totais diminuído 28,0% (taxa de -3,7% no 1º trimestre).