Quantcast
Economia

Pandemia implica diminuição de receitas em 80% das empresas

Pandemia-implica-diminuição-de-receitas-em-80-das-empresas

80% das empresas em funcionamento ou temporariamente encerradas reportaram um impacto negativo no volume de negócios e 4% um impacto positivo, indicam os dados mais recentes do Inquérito Rápido e Excecional às Empresas–COVID-19(COVID-IREE), elaborado pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) e o Banco de Portugal (BdP) relativamente à semana de 20 a 24de abril de 2020.

Estes resultados não divergem muito da semana anterior, embora a percentagem de empresas com perfil exportador a reportar uma redução do volume de negócios seja ligeiramente superior à das restantes empresas (81% e 80%, respetivamente) e o setor do Alojamento e restauração continuou a evidenciar-se, com 96% das empresas a referirem reduções do volume de negócios.

 

ine_bdp_28_04_2020

39% das empresas voltaram a reportar uma redução superior a 50% do volume de negócios na semana de 20 a 24 de abril, enquanto 34% das empresas reportaram reduções entre 10% e 50%. As empresas temporariamente encerradas reportaram maioritariamente reduções superiores a 75%. A percentagem de empresas que reportou reduções superiores a 75% do volume de negócios continuou a ser superior entre as micro empresas e no setor do Alojamento e restauração. Esta percentagem situou-se em níveis ligeiramente inferiores ao do total nas empresas com perfil exportador.

 

A ausência de encomendas/clientes e as restrições no contexto do estado de emergência continuaram a ser frequentemente referidos como fatores com muito impacto na redução do volume de negócios. Por dimensão, a percentagem de micro empresas que referiu estes fatores como tendo muito impacto na redução do volume de negócios foi ligeiramente superior à das restantes. Comparativamente com o total, as empresas com perfil exportador referiram em menor percentagem as restrições no contexto do estado de emergência (65%, face a 83% nas não exportadoras) e em maior percentagem os problemas na cadeia de fornecimento (45%, face a 37%). Por setor, a percentagem de empresas que referiu a ausência de encomendas/clientes continuou a exceder 90% no Alojamento e restauração e nos Transportes e armazenagem.

ine_bdp_28_04_2020_283% das empresas mantinham-se em produção ou em funcionamento, mesmo que parcialmente. Cerca de 16% das empresas encontravam-se temporariamente encerradas, enquanto 1% tinha encerrado definitivamente. Já a percentagem de empresas com perfil exportador que se mantinha em funcionamento situava-se em 88% (82% no caso das empresas não exportadoras). A percentagem de empresas encerradas (temporária e definitivamente) é mais elevada no setor do Alojamento e restauração. No setor dos Transportes e armazenagem a percentagem de empresas encerradas temporariamente aumentou na última semana (de 10% para 14%). As restrições no contexto do estado de emergência e a ausência de encomendas/clientes mantiveram-se como os motivos referidos como tendo mais impacto para o encerramento definitivo das empresas.

 

Em resultado da pandemia, 59% das empresas referiram uma redução do pessoal ao serviço efetivamente a trabalhar, enquanto 40% continuaram a referir não ter havido impacto. A percentagem de empresas com perfil exportador que referiu reduções do pessoal ao serviço efetivamente a trabalhar situou-se em 62% (58% no caso de empresas não exportadoras). A proporção das empresas que reportou uma redução aumenta com a dimensão da empresa e, por setor, a maior percentagem de empresas com reduções do pessoal ao serviço continuou a ocorrer no Alojamento e restauração.

ine_bdp_28_04_2020_3A situação mais relevante para a redução do pessoal ao serviço efetivamente a trabalhar continuou a ser o layoff simplificado, assinalado por 54% das empresas (52%na semana anterior), seguindo-se asfaltas no âmbito do estado de emergência, por doença ou por apoio à família, referidas por 29% das empresas. Por dimensão, esta proporção continuou a ser maior nas microempresas e, por setor, no Alojamento e restauração. Em termos de perfil exportador, foram as empresas não exportadoras que mais recorreram ao layoff simplificado.

 

Cerca de 12% das empresas recorreram a crédito adicional na semana anterior. A percentagem de empresas com perfil exportador que recorreu a crédito adicional foi superior à das restantes empresas (15% e 11%, respetivamente). A percentagem de empresas que recorreu a crédito adicional aumenta com a dimensão da empresa. O setor do Alojamento e restauração destaca-se pela percentagem mais elevada de empresas que recorreram a crédito adicional (23%).