Quantcast
Retalho

O que devem as marcas fazer na ‘Black Friday’ mais longa de sempre?

Black_Friday

Chegado o mês de novembro, chega a Black Friday, Cyber Monday, Natal, Saldos … As grandes alterações dos hábitos de consumo obrigam as empresas a pôr em prática estratégias de marketing digital para captar e fidelizar clientes e de acordo com a Selligent, de agora até ao final do ano, é esperado que 28% dos consumidores faça todas as suas compras online.

Por isso, a grande questão que deve ser colocada pelas marcas é: O que quer o consumidor? A resposta parece ser: Ter acesso a este tipo de oportunidades, mas, agora, na intimidade do seu lar. De acordo com os dados publicados pela Selligent, empresa especialista em Marketing Cloud inteligente e omnicanal, 62% dos consumidores reconhecem estar tão preocupados com a pandemia, que nem as mais rigorosas medidas de segurança poderiam convencê-los a aparecer fisicamente nas lojas nesta Black Friday.

Perante este novo panorama, que podem as empresas fazer para captar a atenção dos seus clientes? São várias a possibilidades elencadas pela empresa no no seu e-book Your Digital Marketing Checklist for Black Friday and Cyber Monday 2020. Assim, um dos primeiros aspetos é, desde logo, a adaptação à mudança. Ou seja, mais do que nunca, os consumidores estão recetivos a ofertas e descontos, e querem poder aceder, em casa, às mesmas promoções que existem nas lojas. Os dados mostram que 28% dos consumidores planeia fazer todas as suas compras pela internet, enquanto 71% fará pelo menos metade das suas compras online.

Perante esta situação, os canais digitais são a chave para captar e manter a atenção dos consumidores. É importante que as empresas impulsionem os seus canais online para que se mantenham atualizados e acessíveis, uma vez que na Europa ocidental é esperado um aumento de até 16,2% nas vendas online – superando em 4,2% as vendas registadas durante o mesmo período do ano passado (12%).

Também é importante prestar atenção às formas de compra digital que os consumidores acolhem melhor – 37% está agora mais interessado em comprar através da app, contra 32% que opta pela opção click&collect; por outro lado, 22% prefere comprar através das redes sociais. Oferecer variedade é essencial para alcançar o sucesso.

Adicionalmente, a distribuição e recolha de pedidos é a tendência do momento – 90% dos consumidores utiliza estes serviços, juntamente com a recolha em locais específicos, que já se situa nos 60% a nível global.

As ferramentas para chegar ao e-shopper
Renovar-se ou morrer. Um tópico que, estando prementes os dois maiores eventos de compras do ano, ganha uma força inusitada. As empresas devem aprender a comunicar com os seus clientes através dos canais digitais para, assim, alcançarem o objetivo de aumentar as vendas. Neste sentido, as diferentes tendências de marketing digital desempenham um papel crucial.

Elaborar uma campanha de email marketing pode, por isso, ser um bom começo para atrair a atenção dos utilizadores. Criar listas com consumidores recetivos, associar a imagem da marca aos emails enviados ou fazer um seguimento exaustivo para não saturar quem não quer receber comunicações são algumas das estratégias a seguir no momento de preparar uma campanha de sucesso.

E se isso não for suficiente, utilizar marketing automation para criar campanhas de email marketing pode ajudar a agilizar os processos, ainda que seja necessário ter em conta a frequência e a quantidade de emails enviados. Os dados do Selligent Global Connected Consumer Index revelam, aliás, que 36% dos consumidores deixou de subscrever emails corporativos nos últimos meses, 55% deles por receber demasiados emails.

Por isso, é importante criar campanhas personalizadas, tendo em conta tanto os clientes como a época do ano em que as empresas promovem os seus descontos. Por exemplo, para a Black Friday pode criar-se uma contagem decrescente através da qual o consumidor saiba quanto tempo falta até ao grande dia, o que vai criar nele uma sensação de expectativa e até de necessidade.

Nada disto funciona, contudo, se o website não for ao encontro das expectativas e necessidades do e-shopper. Assim, o website das empresas tem de estar preparado para horas de atividade frenética, e deve ser testado antes da Black Friday e da Cyber Monday para garantir que é realmente capaz de suportar o aumento do tráfego. Personalizar as ofertas e recomendar produtos específicos a cada utilizador também aumentará o engagement, e consequentemente a reputação da marca.