- Distribuição Hoje - https://www.distribuicaohoje.com -

Nestlé aumenta receitas para 87 mil milhões de euros em 2019

Nestlé aumenta receites para 87 mil milhões de euros em 2019

O maior grupo alimentar mundial aumentou as receitas em 1,2 mil milhões de francos suíços face a 2018, para atingir 92,6 mil milhões de francos suíços, em 2019. Isto é o mesmo que dizer que, comparando com 2018, a Nestlé faturou mais 1,1 mil milhões de euros, totalizando um total de 87 mil milhões de euros, em 2019.

Na nota de imprensa que acompanha a divulgação dos resultados lê-se que “o crescimento orgânico atingiu 3,5% em 2019, em linha com o objetivo. O RIG (crescimento interno real), por sua vez acelerou para 2,9% no total do ano, o nível mais alto nos últimos seis anos, salientando a companhia suíça que “o crescimento foi apoiado, em particular, pela inovação e pela gestão de portfólio”, com os preços a contribuírem 0,6%, tendo “voltado a um território positivo no quarto trimestre”.

A aceleração do crescimento orgânico em relação ao ano anterior foi apoiada por um forte crescimento nos Estados Unidos e no Brasil, bem como com uma forte dinâmica registada na Europa Ocidental. A zona AOA (Ásia, Oceânia e África subsariana) registou um crescimento sólido, apesar da suavidade em algumas categorias na China e no Paquistão. O crescimento orgânico acelerou para 2,6% nos mercados desenvolvidos e permaneceu praticamente inalterado nos mercados, em 4,7%.

A companhia informa que todas as categorias de produtos tiveram um crescimento orgânico positivo. A maior contribuição veio da Purina Petcare e das suas marcas premium Purina Pro Plan e Purina ONE. O café teve um bom desempenho, suportado pela forte procura por produtos Starbucks, que já foram lançados em mais de 40 países [1]. No total, os produtos Starbucks geraram mais de 300 milhões franco suíços (cerca de 282 milhões de euros) em vendas adicionais em 2019. A Nestlé Health Science teve um bom progresso, com base num forte desenvolvimento de vendas para nutrição médica e produtos Atrium. O consumo de água foi reduzido, refletindo a pressão de preços no segmento principal e a fraca procura registada na Europa. Os produtos vegetarianos e à base de vegetais, nomeadamente o Sweet Earth Awesome Burger e o Garden Gourmet Incredible Burger, tiveram um forte crescimento orgânico de dois dígitos, alcançando vendas de quase 200 milhões de francos suíços (aproximadamente 188 milhões de euros).

Em termos de lucros líquidos, a Nestlé revela que estes evoluíram 24,4% face a 2018, terminado o ano de 2019 com 12,6 mil milhões de francos suíços, o equivalente a 11,8 mil milhões de euros, fazendo com que o lucro por ação subjacente aumentasse 11,1% a câmbio constante e 9,8% numa base reportada para 4,41 francos suíços (cerca de 4,1 euros). O lucro por ação, por sua vez, aumentou 28% para 4,30 francos suíços (ligeiramente acima dos 4 euros) numa base reportada.

De referir qua a Nestlé alienou a Nestlé Skin Health em 2019 e anunciou a venda do seu negócio de gelados nos EUA por 4 mil milhões de dólares (cerca de 3,7 mil milhões de euros) à Froneri (transação encerrada em 31 de janeiro de 2020). A Nestlé concordou também em vender uma participação de 60% do seu negócio de charcutaria Herta (frios e produtos à base de carne) à Casa Tarradellas. Saliente-se que a rotatividade do portfólio nos últimos três anos representa 12% do total de vendas de 2017.

Para Mark Schneider, CEO da Nestlé, em 2019, a empresa fez um “progresso significativo” na transformação de portefólio. “Fizemos o que dissemos que faríamos e muito mais”, garantindo que “ainda não terminámos” e deixando a promessa de que “responderemos às rápidas mudanças no setor e às preferências do consumidor em rápida evolução, para posicionar o nosso portefólio no caminho de um maior crescimento”.

Certo é que a certeza de que a Nestlé continuará a concentrar-se na aceleração da sua inovação foi deixada pelo responsável máximo da companhia. “O lançamento dos nossos produtos premium da Starbucks, por exemplo, tem sido um grande sucesso. Estamos muito satisfeitos com a velocidade de lançamento do produto e com a resposta positiva dos consumidores. A empresa está a adotar plenamente a necessidade de velocidade, como demonstrou a rápida expansão das nossas novas ofertas de alimentos e bebidas à base de plantas. Estamos a chegar ao mercado mais rapidamente com produtos indispensáveis”, diz Schneider.

No campo ambiental, o CEO da Nestlé reafirma, também, “a liderança em sustentabilidade num momento em que a sociedade está cada vez mais exigente para com as empresas no sentido de estas encontrarem soluções para os principais problemas ambientais que enfrentamos [2]. Além disso, fizemos um progresso significativo para tornar o nosso local de trabalho ainda mais diversificado e inclusivo. Novas iniciativas, como a nossa política melhorada de licença parental, reafirmam o status da Nestlé como empregadora preferida em todo o mundo [3].

Quanto ao problema que assola o mundo com a disseminação do Coronavirus, Mark Schneider admitiu que a situação “exigiu um esforço extraordinário da nossa equipa na China”. Certo é que a região da Grande China é o segundo maior mercado da Nestlé, representando cerca de 8% das vendas globais. “Neste momento, é muito cedo para quantificar o impacto financeiro desse surto”, conclui Schneider.

Para este primeiro ano da década de 2020, a Nestlé projeta um “aumento contínuo do crescimento das vendas orgânicas, com perspetiva de uma aceleração adicional em 2021/2022 na direção de um crescimento sustentável médio de um dígito. Margem de lucro operacional subjacente à negociação com melhoria contínua. Lucro por ação subjacente a câmbios constantes e é esperado um aumento da eficiência de capital”.