Quantcast
Economia

Exportações e importações em queda em junho

Exportações e importações em queda em junho

Em junho de 2020, as exportações e as importações de bens registaram variações homólogas nominais de -10,1% e -23,1%, respetivamente (-38,7% e -39,8% em maio de 2020, pela mesma ordem), informa o Instituto Nacional de Estatística (INE).

A maioria das categorias de produtos apresentou decréscimos, destacando-se nas exportações os Fornecimentos industriais (-13%) e nas importações o Material de transporte e os Combustíveis e lubrificantes (-49,4% e -65,5%, respetivamente). Excluindo os Combustíveis e lubrificantes, as exportações e as importações diminuíram 7,6% e17,2%, respetivamente (-34,8% e -34,7%, pela mesma ordem, em maio de 2020).

O défice da balança comercial de bens diminuiu 1.049milhões de euros face ao mês homólogo de 2019, atingindo 828 milhões de euros em junho de 2020. Excluindo os Combustíveis e lubrificantes, a balança comercial atingiu um saldo negativo de 665 milhões de euros, correspondente a uma diminuição do défice em 664milhões de euros em relação a junho de 2019.

No 2.º trimestre de 2020, as exportações e as importações de bens diminuíram, respetivamente 30,6% e 34,4% face ao 2.º trimestre de 2019(-31% e -30,7%, pela mesma ordem, no trimestre terminado em maio de 2020).

No 1.º semestre de 2020, verificaram-se decréscimos de 17,1% nas exportações e 19,7% nas importações, o que representa uma inversão da tendência de crescimento registada em ambos os fluxos no 2.º semestre de 2019 (+4% e +4,3%, pela mesma ordem). Excluindo os Combustíveis e lubrificantes, as diminuições foram de 16,5% e 18,2%, respetivamente (+4,2% e +5,3%, no 2.º semestre de 2019).

Em junho de 2020, tendo em conta os principais países de destino em 2019, nas exportações registaram-se decréscimos para todos os principais parceiros, destacando-se face a junho de 2019, a diminuição para Espanha (-7,3%), devido aos decréscimos das exportações de Fornecimentos industriais, Bens de consumo e combustíveis e lubrificantes.

Nas importações destaca-se a diminuição de França (-55%), sobretudo de Outro material de transporte (aviões). Os únicos aumentos registaram-se nas importações provenientes da China (pelo acréscimo nos Bens de consumo, essencialmente material de proteção individual – maioritariamente máscaras e pelo acréscimo nas Máquinas e outros bens de capital) e nas importações provenientes dos Países Baixos (+20,5%e +4,7%, respetivamente).