Retalho

Europa Ocidental com mais 9,5 MM€ em vendas online do que o esperado

‘E-commerce’ na Europa Ocidental

De acordo com as contas do eMarketer, as vendas no e-commerce da Europa Ocidental mantêm o seu caminho ascendente. As previsões indicam que, ao contrário da globalidade das vendas a retalho que deverão registar uma quebra de 9,9%, em 2020, uma subida de 16,9% nas vendas do comércio online contra as previsões de evolução de 8,8% antes da declaração da pandemia.

Assim, as estimativas apontam para que as receitas no comércio online da Europa Ocidental, em 2020, atinjam os 435 mil milhões de euros, ou seja, mais 63 mil milhões de euros que em 2019 e mais 9,5 mil milhões que o previsto pré-pandemia.

Este impulso registará uma descida em 2021, à medida que as lojas físicas reabrirem e recuperarem parte da sua performance. No entanto, o crescimento de novos gastos deixará o comércio eletrónico permanentemente à frente do ritmo anterior. Agora, o eMarketer prevê, inclusivamente, que as vendas de 2020 possam ser superiores ao que estava estimado para 2023.

As previsões apontavam, também, para que a quota de mercado do e-commerce no retalho ascendesse aos 11% do total das receitas do setor retalhista da Europa Ocidental, em 2020, mas estes números foram agora revistas e as estimativas apontam para que possa chegar aos 13,2%, mais três pontos percentuais que a quota em 2019.

e_commerce_Europa_Ocidental

Entre os mercados analisados, os países que já haviam crescido mais rapidamente no comércio eletrónico manterão esse estado, mas a ritmos ainda maiores. Espanha aumentará as suas vendas online em 22,9%, a taxa mais alta da Europa Ocidental e um dos crescimentos mais rápidos do mundo. Já a Holanda crescerá 21,9%, enquanto as estimativas apontem para que a Itália aumente 20,5%. Os analistas do eMarketer referem que “estes países foram atingidos pelo vírus e começaram com uma base de comércio eletrónico mais baixa do que alguns dos seus pares europeus, permitindo um crescimento mais rápido”.

Mercados de e-commerce mais maduros, como o Reino Unido e os países nórdicos, acelerarão este ano, mas em menor grau (aumentando 14,7% e 16,2%, respetivamente). No geral, todos os países da Europa Ocidental aumentarão as vendas no comércio eletrónico em, pelo menos, 12%.

A maioria dos aumentos no e-commerce será impulsionado pelo crescimento das vendas online de bens de consumo embalados, a evolução dos retalhistas online e o surgimento do click&collect. Muitos retalhistas tradicionais/físicos conseguiram rapidamente adaptar-se ao comércio eletrónico, trazendo consigo novos utilizadores.

As estimativas do eMarketer apontam ainda para o facto de 66,9% da população regional tornar-se em compradores digital até o final deste ano (acima dos 64,9% do ano passado), concluindo que 79% dos internautas da região serão compradores digitais em 2020.