Produção

CAP lança serviço de apoio aos agricultores

agricultura

A Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) vai lançar, a partir da próxima segunda-feira (23 de março), uma linha de atendimento e apoio – “A Agricultura Não Para” – com o objetivo de, no atual contexto de estado de emergência declarado, esclarecer os agricultores e a comunidade sobre todas as questões que tenham relativamente às condições de funcionamento das suas empresas neste período excecional, assim como ao acesso às medidas que foram, entretanto, anunciadas para fazer face a este período conturbado.

A linha de atendimento telefónico -217 100 000 (de segunda a sexta-feira, entre as 9h e 17h) – será assegurada pelos técnicos especialistas da CAP e servirá igualmente para a Confederação recolher, diretamente do terreno, informação sobre as principais dificuldades com que os Agricultores e Comunidades Rurais se debatem na sua atividade diária, de forma a informar o Governo e, assim, garantir o funcionamento do setor agrícola, do Mundo Rural e da cadeia de abastecimento nacional.

Além da linha telefónica, a CAP irá socorrer-se dos meios digitais para estender este serviço de apoio, utilizando para tal a página de Facebook (https://www.facebook.com/Confederacao.dos.Agricultores.de.Portugal) e conta Twitter (https://twitter.com/agrinaopara).

Luís Mira, Secretário-Geral da CAP, afirma: “Entendemos, neste momento especialmente dramático e que convoca todos os Agricultores e a Comunidade Rural no geral, que é de fundamental importância garantir linhas diretas de comunicação e de proximidade com todos os intervenientes que estão no terreno a dar o seu melhor e a assegurar que a atividade agrícola não para, apesar das circunstâncias. Queremos garantir que todas as dificuldades sentidas no terreno são ouvidas, registadas e encaminhadas no sentido de que seja salvaguardado o funcionamento da cadeia de produção e de abastecimento. Da mesma forma, é nossa missão ajudar a comunidade e os Agricultores a terem acesso a informação vital para a sua atividade, nomeadamente sobre os instrumentos e medidas a que podem recorrer neste contexto de graves dificuldades económicas resultantes do surto.”