Retalho

Amazon cria unidade para combater a contrafação

Amazon

A Amazon criou uma equipa para combater a venda de produtos falsificados, equipa essa composta por ex-promotores federais, investigadores e analistas de dados, encarregados de localizar os criminosos, enquanto trabalha com a aplicação da lei para perseguir uma acusação. A unidade permitirá que a Amazon seja mais eficaz em ações civis contra possíveis infratores, trabalhe com marcas em investigações conjuntas ou independentes e ajude as autoridades policiais de todo o mundo em ações criminais contra falsificadores.

Em 2019, a Amazon investiu mais de 500 milhões de dólares (cerca de 442 milhões de euros) e empregou mais de 8.000 trabalhadores na luta contra a fraude, incluindo falsificação. Os esforços da Amazon bloquearam mais de 6 mil milhões de listas de produtos suspeitos de crimes, em 2019, e mais de 2,5 milhões de contas de suspeitos de violação antes que eles pudessem colocar um único produto à venda.

Os produtos falsificados são, de resto, um sério desafio que as plataformas de comércio online estão a tentar resolver rapidamente. A Amazon já introduziu programas como o “Project Zero”, em 2019, para fornecer às marcas mais ferramentas para eliminar as falsificações.

A nova unidade baseia-se no histórico estabelecido de colaboração da Amazon com marcas e órgãos policiais para responsabilizar os falsificadores por meio de multas financeiras, litígios civis e processos criminais. A Amazon envolver-se-á ativamente com autoridades como o Centro Nacional de Direitos de Propriedade Intelectual (EUA), Europol (UE) e autoridades de execução relevantes na China e em todo o mundo. Em maio, a Amazon identificou falsificadores com base no Canadá, China, República Dominicana, Alemanha, Índia, Itália, Japão, Coreia, Espanha, Emirados Árabes Unidos, Reino Unido e EUA, identificando-os às autoridades nacionais relevantes.