Quantcast
Produção

Referencial Nacional de Sustentabilidade para vitivinícola é apresentado

Referencial Nacional de Sustentabilidade para vitivinícola é apresentado

A ViniPortugal, entidade responsável pelo desenvolvimento e execução de estratégias e planos de promoção dos Vinhos de Portugal em mercados internacionais, apresentou o Referencial Nacional de Sustentabilidade.

Segundo explicado em comunicado, esta nova certificação é uma resposta às crescentes exigências dos mercados internacionais, com metas abrangentes ao nível nacional acessíveis a todas as organizações do setor vitivinícola nacional responsáveis e orientadas para a sustentabilidade, ou seja, aquelas que estão focadas na criação de valor económico, cultural, social e ambiental.

 

“Este Referencial é extremamente importante para o setor, pois a certificação em sustentabilidade está a deixar de ser uma questão de posicionamento distintivo, passando a ser uma questão de acesso aos mercados. Acredito que muito em breve alguns mercados, principalmente os nórdicos, mas não só, passarão a exigir Certificação em Sustentabilidade”, explicou o presidente da ViniPortugal, Frederico Falcão.

O referencial, apresentado durante o “Fórum Anual dos “Vinhos de Portugal”, é composto por por 86 indicadores no total, que podem variar entre aplicáveis, não aplicáveis, indicadores KO e não KO.

Vinhas Região dos Vinhos Verdes

Portugal entre os 10 principais exportadores de vinho mundialmente

 

O Instituto da Vinha e do Vinho (IVV) revelou durante o Fórum que, de janeiro a setembro de 2022, a venda de vinhos tranquilos no mercado português cresceu 12% em volume (204 milhões de litros) e cresceu 41,5% em valor (817 milhões de euros), com o preço médio a subir 26,4%, quando comparado com o mesmo período em 2021.

Quanto às exportações, Portugal bateu o recorde de 677 milhões de euros em valor das exportações mundiais, quando comparado com o período homólogo de 2021. O valor permite ao país estar entre os dez principais exportadores de vinho a nível mundial.

 

Durante o mesmo período analisado, o volume de exportações caiu 0,6% (242 milhões de litros), mas cresceu 0,97% em valor, para os 677 milhões de euros, tendo o preço médio igualmente aumentado 1,57%, atingindo os 2,80€/l.

“Apesar de os resultados alcançados este ano, até setembro, serem positivos, o impacto da guerra na Ucrânia e o consequente aumento dos custos de contexto, está a refletir-se nos nossos objetivos. Para atingir a meta de 1.000 milhões que definimos, teríamos de crescer 6,24% em 2023. No entanto, estamos confiantes na performance dos nossos vinhos e temos um orçamento de 8,3 milhões de euros para investir na promoção dos nossos vinhos em 2023”, afirma o presidente da ViniPortugal, Frederico Falcão.

 

Quanto aos cinco maiores mercados de destino do vinho português até setembro, temos os EUA (83 milhões de euros), França (81 milhões), Reino Unido (55 milhões), Brasil (50 milhões) e Canadá (43 milhões), sendo que as cinco geografias somadas representam 38,5% do volume total exportado e 46% do valor total exportado.

vinhos