Quantcast
Retalho

Portugueses são os mais ‘promodependentes’ ao comprar bens de grande consumo

Mais portugueses aproveitam saldos para fazer compras

Um estudo realizado recentemente pela Kantar, relativo a 2020, mostra que os portugueses foram os europeus que mais fizeram depender as suas compras de promoções, isto quando falamos de Fast Moving Consumer Goods.

Segundo o revelado pela consultora, num estudo analisado também pela Centromarca – Associação Portuguesa de Empresas de Produtos de Marca- , “no total das vendas dos chamados Fast Moving Consumer Goods (FMCG), Portugal registou uma quota de 31,1%, com 60% das cestas a incluírem pelo menos um produto em promoção”, algo que contrasta até diretamente com os restantes países que fecham o pódio, nomeadamente Reino Unido (30,6%) e Polónia (26,3%)

Aliado a este facto está também o de os produtos de Marcas de Distribuição estarem também ‘bem posicionados’ em termos de crescimento, isto porque, em Portugal, as MDD cresce 2.p.p, ao nível dos países que exibiram um tendência de aceleração da escolha por este tipo de produtos.

De acordo com os dados divulgados, constata-se ainda que os ‘promodependentes’ “representam 39% dos lares portugueses e têm uma dependência promocional substancialmente superior à média. São essencialmente jovens e casais com filhos pequenos, compram em hiper e supermercados e, no último ano, compraram mais marcas de distribuição do que promoções e procuraram o canal online”.

“Por sua vez, o grupo de compradores menos ‘promocional’, que não compra tantos produtos em promoção, representa 61% dos lares portugueses. São consumidores dispostos a pagar mais, tanto por marcas de fabricante como por marcas de distribuição, e caracterizam-se por utilizar uma grande variedade de lojas e diferentes canais de compra”, assevera a Kantar.

“As promoções e a preocupação com o fator preço estão há muito no topo das prioridades dos portugueses, no entanto as promoções realizadas de forma contínua não ajudam a construir valor para as marcas, para as categorias e, em última análise, para o mercado. O shopper português aposta especialmente em promoções que assentam em desconto imediato, reduções temporárias de preço ou os chamados preços especiais, mas mais de duas em cada cinco categorias têm forte dependência promocional, sem que apesar disso gerem incrementalidade para o universo do grande consumo”, refere Marta Santos, Sector Director da Kantar.

A análise da Kantar indica que 53% das marcas ganharam compradores através da promoção e 87% conseguiram alargar a sua base global de compradores. No entanto, existem marcas que não conseguem ganhar compradores ao fazerem promoções, pois tal não resulta obrigatoriamente num saldo positivo ao nível do número de clientes.