Retalho

#NoMoreBoringSocks: conheça as meias nacionais que chegam pelo correio

#NoMoreBoringSocks: conheça as meias nacionais que chegam pelo correio

Um grupo de três empreendedores nacionais fez da sua missão acabar com as conservadoras meias pretas que todos temos na gaveta. Para isso, no final de 2016, lançou um serviço de subscrição online que faz chegar à caixa de correio dos seus clientes um par de meias novo e colorido, ao mesmo tempo que ajuda instituições sociais. Conheça a Meyash.

Manuel Guedes de Oliveira (30 anos), Marcos Fonseca (30 anos) e José Massada (34 anos) trabalham a tempo inteiro em três geografias diferentes, mas isso não os impediu de apostarem num projeto novo. A experiência que têm, respetivamente, numa empresa de serviços financeiros, em Nova Iorque, na gestão de retalho de moda numa empresa da Sonae, no Porto, e na área de tecnologia e sistemas de informação, em Londres, levou-os a investir capitais próprios num negócio onde se complementam uns aos outros.

“O nosso trabalho diário e a distância geográfica acabam por tornar esta experiência tão desafiante quanto enriquecedora. Felizmente, hoje em dia com as redes sociais e várias APPs para comunicação e gestão de projetos, torna-se relativamente fácil manter o contacto em tempo real. Dito isso, a diferença de horários exige de nós não apenas disponibilidade, mas também uma grande disciplina, foco e rigor…Devido à amizade e conhecimento mútuo que já trazíamos de há vários anos temos conseguido garantir esta coordenação sem grandes problemas, também pelos contributos diferentes que damos ao negócio, que se completam entre si”, revelam à DISTRIBUIÇÃO HOJE.

“Decidimos criar um serviço de conveniência. Os nossos clientes passam a ter uma espécie de stylist que todos os meses seleciona e envia um par de meias”.

Por acreditarem que “grande parte das pessoas têm dificuldade em substituir meias antigas”, que “as meias com padrões e cores vivas têm vindo a ganhar popularidade” e que as meias “têm vindo a substituir a gravata como um detalhe que ajuda a vincar uma personalidade mais confiante de quem as usa” decidiram apostar num serviço de subscrição que coloca todos os meses pares de meias novos, e coloridos, na caixa de correio dos clientes.

Serviço de conveniência

“Decidimos criar um serviço de conveniência. Os nossos clientes passam a ter uma espécie de stylist que todos os meses seleciona e envia um par de meias de grande qualidade e design, a preço acessível, que é entregue diretamente dentro da caixa do correio. O modelo de subscrição acaba por funcionar muito bem com meias porque são leves o suficiente para o custo de envio – que nós oferecemos gratuitamente – não ter impacto no preço final e porque é um produto que as pessoas acabam por precisar de ir renovando com uma certa cadência. Para além disso cabem perfeitamente na caixa do correio, o que é uma enorme vantagem em Portugal e em vários países europeus, onde ao contrário dos EUA, por exemplo, os prédios não costumam ter porteiro”, explicam.

#NoMoreBoringSocks: conheça as meias nacionais que chegam pelo correio

“Quando começámos a estudar a possibilidade de abrir a empresa consultámos vários amigos e descobrimos que embora a grande maioria deles gostasse muito da moda de usar meias mais divertidas, simplesmente não tinha paciência para sair de casa para ir comprar meias – a grande maioria normalmente ia apenas a uma loja de desporto/feira/loja uma vez por ano comprar uma dúzia das tradicionais meias pretas”, acrescentam.

A grande diferença face a um serviço de subscrição normal é que este é um negócio com uma vertente social, com os seus fundadores a comprometerem-se a “doar um par de meias de qualidade semelhante a uma instituição social” por cada par de meias vendido.

E apesar do seu ‘perfil exportador’, com 50% da faturação da marca a vir de mercados internacionais, estas ‘Meyash’ são totalmente Made in Portugal: o design está a cargo da designer portuguesa Francisca Lickfold e a produção, os materiais consumíveis e as embalagens são todas provenientes da zona do Vale do Ave, reconhecida no país pela sua tradição na área do têxtil.

 A Meyash tem já clientes “nos quatro cantos do mundo”, desde o Quebec, Itália, Brasil, Dubai ou EUA, que é já “o segundo maior mercado”.

“O feedback tem sido fantástico, não só em termos da qualidade ou design (e até a embalagem), mas também sobre o próprio modelo de subscrição: temos tido vários clientes a dizer que cada vez que recebem a nossa encomenda sentem como se tivessem a receber um presente de aniversário (só que todos os meses!)”, contam-nos.

Atualmente, a Meyash tem já clientes “nos quatro cantos do mundo”, desde o Quebec, Itália, Brasil, Dubai ou EUA, que é já “o segundo maior mercado”, com 30% dos clientes da marca. “Acreditamos que para além do nosso produto poder competir com qualquer um internacionalmente, o facto de nós assumirmos os custos de portes de envio ajuda a entrar nestes mercados”, defendem.

Lojas físicas?

As lojas físicas não fazem ainda parte dos objetivos dos empreendedores “a curto-prazo”, contudo, a Meyash está já em contacto com algumas “boutiques multimarca” em Portugal e no estrangeiro, que em breve poderão passar a vender as meias nacionais.
De acordo com os empreendedores do Porto, o primeiro acordo com um retalhista físico “já está fechado” e em breve será anunciada uma parceria com “uma marca de renome nacional para vender não apenas nos seus canais, como também no nosso site numa secção dedicada a parcerias”.

Os planos da marca passam também por fazer “colaborações com artistas fora da área de moda”, “aumentar a nossa gama ao oferecer também meias para o público feminino e infantil” e “conseguir enviar produtos personalizados” para cada cliente”.  De resto, a Meyash deverá continuar a apostar na vertente social do seu negócio. “Visto que somos três sócios, espalhados por três cidades diferentes, estamos a pensar na possibilidade de ajudar os mais necessitados em Londres e Nova Iorque, para além do que já conseguimos fazer na cidade do Porto”, concluem.