Imobiliário

Investimento em imobiliário comercial atinge os 1,02 biliões de dólares

Investimento em imobiliário comercial atinge os 1,02 biliões de dólares

O volume de investimento global em imobiliário comercial atingiu os 1,02 biliões de dólares entre junho de 2018 e junho deste ano, uma quebra de 0,7% face ao período homólogo. Os dados são do índice ‘Winning in Growth Cities’, da consultora Cushman & Wakefield, que revela também que Nova Iorque ocupa, pelo oitavo ano consecutivo, o primeiro lugar na captação de capital.

De acordo com a consultora, no período em análise, “a procura manteve-se em níveis recorde, com os investidores nacionais e regionais – mais do que os players globais – a impulsionarem a atividade. Os preços elevados e a escassez de produto justificam o abrandamento da atividade de investimento, já que, de um modo geral, os investidores se mostraram pouco dispostos a entrar em mercados mais arriscados ou subir os valores de oferta, tendo em conta a incerteza na evolução das taxas de juro e no contexto económico. “

As tendências variaram de mercado para mercado, com a América do Norte a registar um crescimento próximo dos 13% na sua atividade, o seu melhor desempenho em cinco anos, enquanto a Europa e a Ásia observaram um declínio de 12%, com quedas mais acentuadas na América Latina (-38,5%) e no Médio Oriente (-65,5%).

Nova Iorque volta a estabelecer a sua posição como cidade líder na captação de investimento, com um crescimento anual de 20%. As cidades norte-americanas são, aliás, as que mais se destacam na edição deste ano: Los Angeles ocupa a segunda posição, enquanto São Francisco subiu três posições para o terceiro lugar, ultrapassando Londres, em quarto, e Paris, em quinto.

Ao todo, os EUA conquistaram 13 dos 25 primeiros lugares do ranking global, nove dos quais registaram um aumento dos volumes de investimento face ao ano anterior, com destaque para Boston (+ 66%), Seattle (+38%) e São Francisco (+35%).

A Ásia Pacífico reivindicou 7 das 25 cidades principais, com Tóquio (8º) a recuperar o primeiro lugar na região a Hong Kong. Por sua vez, a Europa contabiliza cinco cidades no top 25 encabeçadas por Londres (4ª) e Paris (5ª). Madrid registou claramente o crescimento mais célere no âmbito europeu, com os volumes de investimento a crescerem 144%, ocupando o 21º lugar a nível global e o 3º na Europa.

“Contrariando a tendência registada na Europa, a atividade de investimento em Portugal tem vindo a manter uma evolução positiva ao longo de 2019, beneficiando do crescimento favorável da economia e do dinamismo no mercado ocupacional. Apesar de Lisboa continuar a captar a maior fatia de investimento, a liquidez dos investidores e a atratividade dos retornos oferecidos tem levado a um alargamento da procura a outras zonas do país, nomeadamente o Porto. A larga maioria do capital investido é de origem internacional, com destaque para a Alemanha e Reino Unido”, revela ainda a análise da consultora.

Andreia Almeida, Diretora de Research na Cushman & Wakefield em Portugal, acrescenta que “embora com uma maior tendência para a estabilização em consequência da provável desaceleração da economia mundial, as perspetivas para a evolução do investimento imobiliário em Portugal são positivas. Dada a diversidade de produto imobiliário que atualmente se encontra em oferta no país, este consegue atrair todo o tipo de investidores, desde oportunistas a especializados, com os setores de retalho e escritórios a continuarem entre os mais procurados. Contudo, e à semelhança do que tem vindo a verificar-se em 2019 com hotelaria, antecipa-se que o radar dos investidores continue a alargar para segmentos alternativos por via da maior maturidade do mercado”.