Economia Circular

Portugal “tem potencial”, mas apresenta um índice de ecoinovação abaixo da média europeia

Portugal “tem potencial”, mas apresenta um índice de ecoinovação abaixo da média europeia

A Sociedade Ponto Verde e a Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa apresentaram esta semana o estudo ‘Avaliação do Potencial da Economia Circular em Portugal’, um trabalho que indica que, “apesar do potencial”, Portugal ainda tem um índice de ecoinovação abaixo da média europeia.

O país registou em 2015 uma redução no consumo interno de materiais, que se fixou em 15,8 toneladas por habitante, o que permitiu passar da oitava posição entre os restantes países europeus com maior índice de consumo para a 13ª posição.

Ainda assim, o estudo da Sociedade Ponto Verde revela que Portugal apresenta, desde 2010, um índice de ecoinovação abaixo da média europeia, apesar de em 2015 os dados terem apontado para um ligeiro crescimento, ainda assim abaixo dos outros países.

“No setor da produção dos alimentos e bebidas, o desenvolvimento do mercado dos nutrientes é uma das principais oportunidades, apesar de se debater com alguns desafios, nomeadamente de dispersão demográfica. No caso da produção de embalagens, a melhoria da imagem é um dos objetivos, sem comprometer a preservação da função primária das embalagens – acondicionar os alimentos – e de segurança alimentar. Ao mesmo tempo, há trabalho a desenvolver ao nível do acondicionamento e do transporte”, explica a Sociedade Ponto Verde

Luís Veiga Martins, Diretor Geral da Sociedade Ponto Verde, refere que “a economia circular tem vindo a ganhar força enquanto paradigma agregador de conceitos e ferramentas promotoras da produção e consumo sustentáveis. O estudo desenvolvido tem um carácter prospetivo com o objetivo de contribuir para a identificação de estratégias, modelos de negócio, medidas e instrumentos de política conducentes a uma transição para um modelo económico assente na circularidade.”

Recentemente, realizou-se em Lisboa a conferência ‘O Ciclo das Embalagens – Uma Visão de Inovação Circular. Simone Veldema, membro do Design Thinkers Group e uma das oradoras da iniciativa, destacou a importância de revolucionar a forma como o design aplicado à economia circular é pensado, salientando que “tudo pode mudar para melhor, do linear para o circular”. A oradora reforçou ainda que o consumidor e a forma como o produto é utilizado devem ser os pontos de partida para transformar o trabalho dos designers para uma perspetiva mais sustentável.

Carlos Martins, Secretário de Estado do Ambiente fechou a conferência e explicou que estão a ser implementadas em Portugal várias mediadas para incentivar a Economia Circular, como é o caso do Ponto Verde Open Innovation. “Estes vinte anos (de reciclagem em Portugal) são globalmente uma trajetória que considero muito positiva, que criou uma grande capacitação de competências que podem conduzir-nos ao sucesso para os desafios que o futuro nos remete”, sublinhou.