Produção

Entrevista a Jorge Gama, partner e responsável comercial da GBSO

Entrevista aJorge Gama, partner e responsável comercial da GBSO

“O consumidor está mais consciente e procura estes produtos sustentáveis”

A sustentabilidade está na ordem do dia e os produtos de higiene pessoal não fogem à regra. A Jordan, através da GBSO, disponibiliza produtos de saúde oral sustentáveis e a reação dos consumidores superou as expectativas. Em entrevista exclusiva à DISTRIBUIÇÃO HOJE, Jorge Gama, partner e responsável comercial da GBSO para Portugal, explica a razão dos portugueses estarem a aderir aos produtos de higiene pessoal sustentáveis.

Não se trata de um produto original, mas sim de uma forma original de apresentação do mesmo e com o meio ambiente e a sustentabilidade em mente. Escovas de dentes de plástico reciclado e embalagens de pastas de dentes sem embalagem exterior é a aposta diferenciadora da marca que pretende proteger o ambiente e combater o desperdício.

Quais os produtos sustentáveis de utilização única (de higiene pessoal e instrumentos relacionados) que a marca Jordan tem as dispor dos clientes?
A Jordan é uma marca escandinava, mais propriamente norueguesa, que cuida da saúde oral desde 1927. A gama de produtos é de elevada qualidade e concebida de forma a tornar a rotina de cuidados dentários o mais descomplicada e motivadora possível – aliando uma funcionalidade superior a designs com estilo. Recentemente a marca lançou uma linha de escovas de dentes de plástico reciclado tanto para adulto como para criança e acabou de introduzir no mercado português uma linha de pastas de dentes de adultos sem caixa exterior com vista a redução do desperdício.

Neste momento, a questão da proteção ambiental é central para a Jordan e vai lançar ou reconverter alguns produtos dentro desta linha.

Qual o impacto estimado para o ambiente da substituição dos produtos tradicionais por esses produtos?
Nos acessórios (escovas de dentes) estamos a falar em reciclar plástico de outros produtos como é o caso de embalagens de iogurte, com tudo o que tem de benefício. Invés de cabos virgens, utilizamos plástico reciclado (redução direta de 12.250kg de plástico virgem). Os tabuleiros exteriores de plástico foram substituídos por cartão reciclado poupando até agora mais 4.380kg de plástico virgem. O Nylon das cerdas à base de fosseis foram substituídas por nylon de base biológica, reduzindo o consumo de quase 1.000kg de Nylon à base de fosseis. Relativamente às pastas de dentes a marca, ao não usar caixa de cartão exterior, reduz o desperdício de cartão que, quando é comprado, vai de imediato para o lixo.

Como reagiram os consumidores a essa oferta?
Muito bem. Superou mesmo as nossas melhores perspetivas. Neste momento a linha Grean Clean (escovas de dentes de plástico reciclado) estão no nosso TOP de vendas dos produtos da marca.

Quanto às pastas de dentes, só foram lançadas este mês pelo que ainda é muito cedo para analisar, mas para já o feedback dos consumidores é muito positivo não só pela qualidade das pastas, como pela questão de não ter caixa exterior, diminuindo assim o desperdício. Sobretudo os consumidores mais jovens sentem-se muito atraídos por estas propostas mais conscientes.

Em relação às opções de escovas sustentáveis, temos alguns dados do mercado escandinavo que indicam que a compra de escovas de plástico reciclado tem uma taxa de recompra mais elevada que todas as outras escovas alternativas, nomeadamente comparando com as escovas de bambu, por exemplo, tem quase o dobro da rotação, sobretudo devido a eficácia de escovagem.

Ao nível de variação de preço, para a produção, o que é que estas alterações representam e de que forma essa diferença é sentida pelo consumidor?
Penso que a indústria vai ter de se adaptar rapidamente. Mas claro que isto vai criar algumas entropias ao nível da atual massificação da produção e da comercialização. Vai ter de haver investimento em novas máquinas e formas de produção, mas o caminho não tem retorno. O consumidor está mais consciente e procura estes produtos sustentáveis, mesmo que o preço seja um pouco mais caro.

No entanto, esse impacto começa também a não ser sentido. Posso dar o nosso exemplo: não há qualquer diferença de preço entre a nossa escova reciclada e a mais básica da marca. Claro que isto só é possível porque já há uma escala e um mercado significativo que permite ter preços acessíveis nesta oferta.

Em Portugal, onde podem ser adquiridos?
A marca está presente em toda a moderna distribuição, ou seja, hipermercados e supermercados das várias insígnias.